Uber perde na Relação e admite recorrer para o Supremo

O Tribunal da Relação deu razão à ANTRAL no processo que esta associação do sector dos táxis colocou para impedir a presença da plataforma em Portugal, sabe o Jornal Económico. A Uber admite agora recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça.

REUTERS/Toby Melville

A Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) apresentou no início de 2015, uma providência cautelar contra a presença da Uber em Portugal. A Uber recorreu para o Tribunal da Relação que, embora num primeiro momento tenha dado razão a esta plataforma – por considerar que faltava fundamentação “ponto por ponto, facto por facto” na decisão do tribunal de primeira instância -, agora veio dar razão à ANTRAL.

A decisão judicial final chegará já depois de ser aprovado o novo modelo para o transporte de passageiros através do uso de plataformas, que se encontra neste momento em discussão na comissão parlamentar de Economia.

Contactada pelo Jornal Económico, a Uber diz que “esta decisão, que remonta a um caso do início de 2015 quando novas formas de mobilidade como a Uber começaram a surgir em Portugal, evidencia ainda mais a necessidade de uma modernização regulatória. Iremos analisar em maior detalhe a sentença para avaliarmos próximos passos. Ao mesmo tempo, esperamos que a nova legislação proposta pelo Governo seja aprovada muito em breve pelo Parlamento, tal como é desejado pela grande maioria dos portugueses”.

O Jornal Económico sabe que os advogados da Uber estão neste momento a avaliar a apresentação de um recurso para o Supremo Tribunal de Justiça, entre outras opções. No entanto, a última palavra dos tribunais chegará, tudo indica, já depois do Parlamento esclarecer todas as dúvidas e aprovar a nova lei que regula o transporte de passageiros através do uso de novas tecnologias.

A lei que regula a presença da Uber e da Cabify em Portugal foi discutida na generalidade, no Parlamento, no dia 17 de março, e desceu à especialidade onde os partidos políticos têm 90 dias para se pronunciar quer sobre a proposta de lei do Executivo, quer sobre um projecto de lei apresentado pelo Bloco de Esquerda.

Porém, a Uber considera que esta decisão judicial não se aplica à Uber que opera em Portugal, uma vez que a providência cautelar interposta pela ANTRAL visa a proibição da actividade, em Portugal, da Uber Technologies Inc, uma empresa que só está activa nos Estados Unidos. O serviço português da Uber responde à Uber BV, sediada em Amesterdão, na Holanda

Ler mais

Relacionadas

O céu é o limite: Uber revela planos para “carros voadores”

É provável que em 2023 possa pedir um “UberAir” ao preço dos veículos da UberX. A empresa espera que “voar num carro” seja algo normal no dia-a-dia dos transportes.

Uber regista crescimento de 74% nas receitas em 2016

Os resultados do primeiro trimestre de 2017 ainda não são conhecidos, mas a empresa garante que vão ao encontro das expectativas.

Governo e esquerda longe do consenso sobre a Uber

Regulamentação de plataformas eletrónicas de transportes como a Uber continuam a dividir os partidos de representação parlamentar.
Recomendadas

Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Segunda-feira, 19 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Patrões defendem que Estado deve recorrer ao BEI para reestruturar dívida das empresas

Em entrevista à “Antena 1/Jornal de Negócios”, António Saraiva revelou que a CIP vai apresentar um pacote de medidas ao Governo nos próximos 15 dias para apoiar as empresas depois do fim das moratórias em setembro.
Comentários