UE espera presença dos Estados Unidos em reuniões europeias já neste semestre

A União Europeia espera que responsáveis da administração de Joe Biden participem nos conselhos de ministros europeus durante a presidência portuguesa e assegura não ter recebido qualquer reclamação de Washington sobre a conclusão do acordo de investimento UE-China.

“Durante a presidência portuguesa, esperamos que os secretários de Estado, da Defesa e dos Negócios Estrangeiros, participem nos nossos conselhos. E aqui, em Portugal, teremos ocasião de os receber nos nossos conselhos”, afirma o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, numa entrevista à Lusa, na sexta-feira, à margem da visita do colégio de comissários a Lisboa, no âmbito da presidência rotativa do Conselho da União Europeia (UE).

Questionado sobre o acordo de princípio recentemente alcançado sobre um pacto de investimentos com a China, semanas depois de Joe Biden ter proposto um diálogo transatlântico sobre “o desafio estratégico” colocado pela China, o Alto Representante da UE para Política Externa assegura que não teve qualquer queixa da equipa de transição.

“Sobre o que foi mal interpretado, nada me consta, é o que dizem alguns comentadores. Não tenho qualquer registo disso”, afirma.

“Mas não vejo qualquer razão para que seja mal interpretado. Há sete anos que negociamos um acordo e a presidência alemã conseguiu-o nas condições que há muito solicitamos em termos de equilíbrio nas relações económicas, de tratamento das nossas empresas na China, pelo que não vejo por que razão poderia colocar problemas a alguém”, assegura.

Numa altura em que a UE multiplica as declarações sobre a oportunidade que a eleição de Joe Biden cria para um relançamento da relação transatlântica, Josep Borrell afirma que Bruxelas não iniciou qualquer processo de diálogo e aguarda a posse e ratificação pelo Congresso norte-americano da nova administração.

“O Presidente ainda não foi investido e os cargos que vai nomear ainda não passaram pelo exame na Câmara dos Representantes e no Senado. Parece-nos prudente que, até lá, não comecemos a trabalhar com eles e não o quisemos fazer por respeito ao processo”, frisa.

Ler mais
Recomendadas

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

PremiumPablo Hasél: Rap para aquecer as noites frias do inverno catalão

Um rapper está preso desde o dia seguinte às eleições na Catalunha. Não será motivo suficiente para explicar o incêndio que volta a devastar Barcelona: o impasse político com Madrid mantém-se e parece mesmo ter possibilidade de aumentar. Entretanto, ainda ninguém sabe como será o próximo governo da autonomia.

Pokémon comemora 25 anos em alta com ajuda da pandemia

O vídeojogo Pokémon, uma das franquias globais mais bem sucedidas, assinala hoje 25 anos da estreia no Japão, agora reforçado pela pandemia da covid-19 que tem impulsionado o entretenimento digital.
Comentários