#UKatWebSummit

Através da participação na Web Summit, queremos reforçar a liderança do Reino Unido no combate às alterações climáticas. Temos, tal como Portugal, metas ambientais ambiciosas.

Pelo quarto ano consecutivo, o Reino Unido estará presente na Web Summit, o maior evento de tecnologia do mundo, que decorre num formato virtual entre 2 e 4 de dezembro.

Através da nossa participação, pretendemos mostrar as razões que fazem do Reino Unido o principal destino de investimento na Europa. Somos uma nação de empreendedores e os nossos produtos e serviços, a nossa tecnologia e ideias, têm dado ao mundo algumas das inovações mais emblemáticas. O nosso setor tecnológico está avaliado em mais de 200 mil milhões de libras (cerca de 224,5 mil milhões de euros), isto é mais de um terço do valor total correspondente a este setor na Europa.

Queremos que os melhores empreendedores encarem o Reino Unido como o parceiro de escolha para a criação e expansão de negócios de base tecnológica, por exemplo na área da Inteligência Artificial (IA): estão sediadas no Reino Unido mais startups de IA do que em qualquer outro país europeu; e estamos a aplicar a IA em muitos setores, nomeadamente o automóvel, saúde, serviços financeiros ou administração pública.

Através da participação na Web Summit, queremos também reforçar a liderança do Reino Unido no combate às alterações climáticas. Temos, tal como Portugal, metas ambientais ambiciosas. E queremos reforçar a sustentabilidade do nosso setor industrial.  Neste âmbito, o nosso governo lançou recentemente um Plano de 10 Pontos para uma Revolução Industrial Verde, abrangendo um investimento público de 12 mil milhões de libras (cerca de 13,5 mil milhões de euros), que se espera venha a gerar um investimento privado três vezes superior, e criar até 250.000 empregos até 2030.

A nossa presença na Web Summit incluirá uma mesa redonda sobre os “UK Tech Rocketship Awards”, um programa ao abrigo do qual pretendemos selecionar as três melhores scale-ups portuguesas com vista a acelerar a sua internacionalização num dos maiores ecossistemas mundiais. Nesta sessão será ainda abordado o Programa Global para Empreendedores (GEP), que disponibiliza aconselhamento especializado para empresas interessadas em expandir o seu negócio para o Reino Unido, país número um na Europa para unicórnios.

Organizaremos também uma masterclass sobre o papel da inovação e tecnologia no combate às alterações climáticas e os desafios de scaling-up que as startups do setor de cleantech enfrentam. E vamos acolher na nossa ‘sala virtual’ várias conversas informais com oradores britânicos de relevo, como Dame Jane Goodall e Viktoria Modesta.

Toda a informação sobre a nossa presença na Web Summit, e outras atividades com vista a reforçar as ligações entre Portugal e o Reino Unido nas áreas do empreendedorismo, inovação e tecnologia – fulcrais para a prosperidade de ambos os países – está disponível em www.ukandportugal.pt. Esperamos por si!

Recomendadas

O BCE e a inflação no pós-pandemia

Christine Lagarde lançou um alerta aos governos e aos “falcões” no seio do BCE: a eventual subida da inflação, após o fim do confinamento, não pode servir para justificar uma antecipação da retirada dos estímulos monetários. Se este cenário ocorrer, o BCE deverá deixar claro que está disposto a tolerar um pouco de inflação, durante algum tempo, sem mexer nos estímulos monetários. Para Portugal e outros países mais frágeis, esta clarificação será fundamental.

Quem criou Donald Ventura?

Na batalha política, apontar as culpas ao adversário errado é perigoso, porque o outro concorrente, o verdadeiro culpado que joga sujo, sai ileso e pronto a causar mais danos. Não devia ser preciso explicar isto a alguns políticos.

Abusos de poder

Nos Estados Unidos com Trump, em Portugal com dois jornalistas. Há poderes que precisam de ser enquadrados e outros de ser mais corajosos e menos corporativos.
Comentários