Um ano depois das trotinetes, Hive aposta em bicicletas elétricas na cidade de Lisboa

Depois de entrar no mercado da micromobilidade com trotinetes, em novembro de 2018, a empresa que integra o grupo Free Now aposta em bicicletas. Há 150 disponíveis a partir de hoje em Lisboa. “Acreditamos numa plataforma multimodal”, explica o diretor-geral da Hive em Portugal, Thiago Ibrahim.

Um ano depois de ter iniciado a sua operação na cidade de Lisboa, apostando em trotinetes elétricas partilhadas, a Hive amplia o seu portefólio e passa a incluir na sua oferta bicicletas elétricas, anúnciou esta quinta-feira, 21 de novembro a empresa de micromobilidade de origem alemã.

A partir de hoje, a Hive disponibiliza na cidade de Lisboa 150 bicicletas elétricas. Para os responsáveis da Hive, trata-se de uma aposta em novas formas de mobilidade suave e, simultâneamente, na consolidação de uma plataforma que acolha diferentes meios de transporte, tendo em conta que trotinetes e bicicletas estão acessíveis aos utilizadores numa só aplicação.

“Acreditamos numa plataforma multimodal que permita aos utilizadores escolher o tipo de veículo consoante aquelas que são as suas necessidades no momento”, explica o diretor-geral da Hive em Portugal, Thiago Ibrahim.

Depois de ter aposto na capital portuguesa, enquanto cidade-piloto, para estrear a sua operação com trotinetes, a Hive revela ter registado quase dois milhões de quilómetros percorridos em viagens de trotinetes a nível global, “resultando numa redução de emissão de dióxido de carbono de mais de 435 toneladas”, lê-se no comunicado da empresa.

Para continuar a contribuir para a redução do tráfego e das emissões de carbono nas cidades, a Hive aposta agora em mais um meio de transporte “eco-friendly” (amigo do ambiente).  “Contribuir para a sustentabilidade global, e ter um impacto positivo na saúde das pessoas são as bases do nosso negócio”, argumenta o presidente executivo da Hive, Tristan Torres.

Para usufruir de uma bicicleta elétrica da Hive, o utilizador tem de aceder à aplicação “hive”, registar-se ou iniciar sessão, selecionar a bicicleta e desbloqueá-la. O desbloqueio das bicicletas elétricas da Hive é gratuito, tendo a sua utilização o custo de 0,20 euros por minuto.

A Hive foi criada em 2018, tendo a cidade de Lisboa sido escolhida para empresa arrancar com a sua operação global – o que aconteceu em novembro. Atualmente, a Hive regista operações em dez cidades europeias, oferecendo serviços de micromobilidade partilhada, através de um sistema de free-floating dentro das cidades. Sediada em Barcelona, desde fevereiro de 2019, que a Hive integra o grupo Free Now, a joint-venture de mobilidade da Daimler e BMW.

Relacionadas

Free Now vai agregar serviços de táxi e trotinete na mesma aplicação

“Somos hoje grandes o suficiente para alargar o âmbito da nossa plataforma”, disse o CEO da Free Now ao Jornal Económico, na Web Summit.

Vinte mil pessoas já aderiram à campanha da Hive com o passe Lisboa VIVA    

“O facto de 20 mil pessoas terem aderido deixa-nos confiantes de que a mobilidade nas cidades passará, cada vez mais, por uma complementaridade entre as diversas soluções e serviços de mobilidade suave que têm vindo a surgir”, afirmou a city manager da Hive, Joana Pereira Correia.

“Hive”, o projeto piloto que a mytaxi lança em Lisboa

Com a aposta nesta nova forma de mobilidade, a mytaxi pretende também olhar para uma nova forma de conectar dois negócios, tendo o objetivo de facilitar aos utilizadores a escolha entre os serviços, com a opção de posteriormente integrar o serviço das E-scooters na aplicação da mytaxi.
Recomendadas

Greve dos trabalhadores dos TST com adesão entre 90 a 95%, indica sindicato

A greve dos trabalhadores dos TST-Transportes Sul do Tejo, que servem a Península de Setúbal, para exigir uma atualização salarial, estava às 07:30 com uma adesão entre 90 e 95%, disse à Lusa fonte sindical.

João Weber Gameiro é o novo CFO da TAP. Manuel Beja substitui Miguel Frasquilho como ‘chairman’

Além de Frasquilho, saem também os não-executivos Bernardo Trindade, António Gomes de Menezes e Fátima Castanheira Geada. Ramiro Sequeira deixa de ser CEO interino, regressando ao cargo de COO. Mantém-se no ‘board’ Alexandra Reis como Chief Corporate Officer, enquanto a espanhola Sílvia Mosquera entra como Chief Commercial Officer.

Metro de Lisboa investe 2,6 milhões na acessibilidade em Entrecampos e Cidade Universitária

O contrato, com um prazo de execução de 180 dias contados à data da consignação, foi adjudicado ao grupo Domingos da Silva Teixeira/Efacec.
Comentários