Um compromisso inadiável

Não é possível adiar mais esta agenda climática e, por isso mesmo, no caso da indústria cimenteira o Roteiro para a Neutralidade Carbónica em 2050 tem de ser uma prioridade com resultados mensuráveis a curto prazo.

Muito recentemente, tive oportunidade, a convite da Associação Técnica da Indústria do Cimento – ATIC, de participar na conferência “Cimentar o Futuro”, durante a qual foi apresentado com detalhe o Roteiro da Indústria Cimenteira para a Neutralidade Carbónica em 2050 e que apresenta o caminho a seguir para que as emissões de CO2 possam ser reduzidas ao longo da cadeia de valor – clínquer, cimento, betão, construção e recarbonatação – até se atingir a neutralidade carbónica em 2050.

Até 2030, a indústria de cimento europeia pretende estar alinhada com o cenário 2 do Acordo de Paris, reduzindo as emissões de CO2 em 30% no caso do cimento e em 40% ao longo da cadeia de valor.

Este roteiro agora apresentado pela indústria é um compromisso com o país, que só pode acontecer com a conjugação de diferentes vontades, que para além do sector integre também as vontades do Estado e da própria União Europeia. E é indispensável fazer tudo isto sem que se perca competitividade.

Haver a consciência de que se trata de uma indústria poluidora num mundo em que temos de travar as alterações climáticas obriga a inovar e reinventar, o que só será possível se tivermos um quadro regulatório, legal e de incentivos fiscais que permita precisamente que esta indústria não perca competitividade face à concorrência forte noutras geografias, fora do mercado único europeu.

Há aqui uma consciência ambiental do próprio sector que está a dar importantes passos e que se iniciaram ainda antes da criação do Roteiro agora apresentado. Mas persistem enormes desafios pela frente. O aquecimento global e os números catastróficos nos cenários científicos, relacionados com um aumento de 4 a 8 graus na temperatura até ao final do século se continuarmos como até aqui, tornam forçoso que os interesses egoísticos sejam eliminados e suplantados pelas decisões concertadas dos diferentes países, tal como determinado no Acordo de Paris.

No caso em apreço, e como contributo para a redução ou mesmo eliminação das emissões, também a ação política da UE será essencial no incentivar da aceitação de cimentos de baixo carbono pelo mercado e de energia renovável mais acessível.

Não é possível adiar mais esta agenda climática e, por isso mesmo, no caso da indústria cimenteira este Roteiro tem de ser uma prioridade com resultados mensuráveis a curto prazo. Para isso, muito passará pela flexibilidade normativa desejada pelos representantes do sector e que desburocratize e elimine legislação redundante e obsoleta por outra que permita acelerar o caminho desejado. É aí que se encontra a responsabilidade do poder público, ao nível das políticas públicas, precisamente para encontrar essa flexibilidade, aliada a mecanismos de incentivo fiscal.

Apelar à consciência ambiental de todos e à alteração de comportamentos é a única forma de assegurar que o compromisso é cumprido. Não só o compromisso com o país, mas o compromisso com o próprio planeta.

A Indústria Cimenteira está a cumprir o seu papel, por isso espero que o Estado cumpra a parte que lhe compete.

 

 

Cristina Bernardo

A abertura das esplanadas foi um sopro de vida para o sector da restauração e um passo crítico do plano de desconfinamento. Mas imagens diversas que circularam tornam indispensável um alerta para o cuidado no uso de máscaras e nas distâncias de segurança. Não podemos deixar que a irresponsabilidade coloque como cenário um novo retrocesso, que teria severos efeitos sociais e económicos.

O Canal Direto é o canal de comunicação aberto que mantenho com todos os leitores.

Recomendadas

O nosso tardio trio Odemira

O Estado não agiu a tempo para prevenir uma situação vergonhosa. E se é verdade que tudo o que disse o triunvirato ‘Presidente, Governo e Oposição’ estava (quase) certo, também é verdade que foi ‘too little, too late’.

IRC mínimo mundial

Um IRC mínimo mundial diminui uma desvantagem competitiva portuguesa (a menos que o governo cometa mais um erro), para além de abrir a porta a novas receitas fiscais, pagas pelos gigantes tecnológicos.

O que fez Ayuso

Em política tem de haver sempre alternativa. ‘Liberdade e Vida’, em tempo de pandemia, fez o PP ganhar Madrid contra as políticas do governo central.
Comentários