PremiumSofia Vala Rocha: “Um dos grandes objetivos da minha candidatura é recuperar Lisboa, Sintra e Oeiras”

Candidata diz querer impedir nova “derrota humilhante” de Ângelo Pereira, adversário nas eleições de sábado, e não apoia Rio, Montenegro e Pinto Luz.

A vereadora em regime de substituição da Câmara de Lisboa Sofia Vala Rocha vai disputar a distrital de Lisboa doPSD com Ângelo Pereira neste sábado, 9 de novembro. Em entrevista ao JE, acusa o vereador da Câmara de Oeiras [que declinou um pedido de entrevista] de avançar para “resolver os problemas” do candidato à liderança do PSD Miguel Pinto Luz e de congregar diferentes visões na distrital. Por seu lado, diz não alinhar em divisões internas e compromete-se a combater a corrupção e os problemas de habitação e de mobilidade na capital.

Tinha anunciado a pré-candidatura à concelhia do PSD-Lisboa, mas abdicou para concorrer à distrital. Porquê?
A distrital do PSD é a maior do país e envolve dez concelhos e cerca de um quarto da população. É muita responsabilidade. É preciso competência e currículo e entendo que o meu adversário não tem a preparação adequada. Ângelo Pereira foi o candidato do PSD à Câmara de Oeiras em 2017 e ficou em quarto lugar, com 8%, um resultado humilhante para o partido.

Teme que esse resultado se repita em Lisboa?
Essa é a questão que gostava de colocar a Ângelo Pereira. Quer fazer em Lisboa o que fez em Oeiras? Ter 8% e mendigar pelouros a executivos que não são do PSD? O PSD não pode ser muleta de nenhuma força política. Tem de ser oposição firme, em Lisboa, contra o PS, em Oeiras, contra Isaltino [Morais], e em Loures contra o PCP. Aquilo que Ângelo Pereira fez em Oeiras é inaceitável e baralha os eleitores. Comigo a presidente não há convivência com outros partidos e nenhum vereador do PSD pode aceitar pelouros em executivos que não sejam do PSD.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.

PremiumCampanha presidencial de Donald Trump à espera de um milagre

Uma inesperada convergência de várias crises – económica, social, racial, de saúde – deitou por terra a estratégia de reeleição do presidente dos Estados Unidos. Mais uma vez, os imponderáveis levaram a melhor sobre aquilo que parecia ser uma reeleição fácil, face a um candidato democrata com pouco sal e que em Portugal levaria a alcunha de ‘Joe mãozinhas’.
Comentários