Um em cada seis portugueses com mais de 50 anos vive com insegurança alimentar

Um em cada seis adultos portugueses com mais de 50 anos vive num agregado familiar com insegurança alimentar, avança hoje um estudo realizado por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.

Em declarações à agência Lusa, a investigadora Isabel Maia explicou que o estudo, publicado na revista Food and Nutrition Bulletin, visava compreender a “prevalência e os determinantes” da insegurança alimentar, assim como “as suas consequências”.

A insegurança alimentar pode descrever-se como o “acesso limitado” ou “incerto”, devido a restrições económicas, a alimentos nutricionalmente adequados para uma alimentação saudável e diária.

Para determinar este índice, os investigadores recorreram a dados da coorte EPIPorto (um estudo populacional do ISPUP que avalia há 20 anos, os determinantes de saúde da população adulta que reside no Porto), sendo que nesta investigação participaram 604 indivíduos, com idades entre os 50 e 90 anos.

“Aquilo que pretendemos estudar foi este período do ciclo de vida em que é a meia-idade e os adultos idosos, ou seja, quisemos perceber o quão suscetíveis estavam em insegurança alimentar num período caracterizado pela melhoria de alguns indicadores sociodemográficos, como a taxa de desemprego, ou seja, um período de recuperação da crise económica que Portugal atravessou”, avançou.

Segundo a investigadora, este estudo permitiu concluir, com base numa “série de questões”, que 16,6% dos indivíduos pertenciam a um agregado familiar em que existia insegurança alimentar.

Além desta prevalência, os investigadores também analisaram quais as “características sociodemográficas” que mais se associavam ou estavam relacionadas com a insegurança alimentar.

“Aquilo que nós verificámos foi que as mulheres, os indivíduos que tinham menor escolaridade, os que não eram casados, os indivíduos que tinham uma perceção do rendimento do agregado familiar como insuficiente e aqueles com profissões menos qualificadas apresentavam maior risco de insegurança alimentar”, salientou.

À Lusa, Isabel Maia disse que esta investigação poderá ser bastante “importante”, uma vez que, ao evidenciar quais são as populações mais vulneráveis à insegurança alimentar, pode servir de suporte científico para decidir estratégias.

“Realçamos que são necessárias medidas para que possamos melhorar o estado de segurança alimentar dos indivíduos face aos números que foram encontrados neste estudo”, concluiu.

A investigadora adiantou ainda que o objetivo do grupo passa agora por “continuar a estudar a insegurança alimentar”, nomeadamente quais as suas consequências e qual a sua prevalência nas crianças.

Ler mais
Recomendadas

Governo garante complemento de estabilização a trabalhadores que estiveram em layoff

O esclarecimento do Governo foi efetuado face às dúvidas suscitadas quanto ao recebimento do complemento de estabilização por parte destes trabalhadores, procedendo à clarificação do regime previsto no 3º do DL n.º27-B/2020, de 19 de junho.

Fenprof pede mais professores e respeito por carga horária nas universidades

A Federação nacional dos Professores também considera que se deve reduzir o valor das propinas e de revogar o estatuto dos bolseiros de investigação, apontando para a sua integração nas carreiras.

Fundação Calouste Gulbenkian doa 12 ‘kits’ de impressão 3D a PALOP

Segundo a Fundação Calouste Gulbenkian, os apoios pretendem aproximar as instituições universitárias e científicas das instituições de saúde nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), esperando, a médio-prazo, “reforçar as iniciativas de inovação social”.
Comentários