Um novo rumo para o país

As crises não são apenas momentos difíceis, em que temos de fazer escolhas que preferíamos não ter de fazer.

As crises não são apenas momentos difíceis, em que temos de fazer escolhas que preferíamos não ter de fazer. As crises podem ser também oportunidades para tentar caminhos diferentes. Portugal encontra-se nessa situação, à semelhança de muitos outros países na Europa e no mundo, na sequência da emergência global causada pela pandemia de Covid-19.

Subitamente, o nosso modelo de crescimento económico, que nos últimos anos assentava no tripé exportações, turismo (estatisticamente incluído nas primeiras) e imobiliário, foi posto em causa por uma crise que muito poucos poderiam antecipar. Ninguém podia adivinhar que 2020 seria assim, apesar de nos últimos anos se terem sucedido os alertas dos cientistas e por muitos programas que o National Geographic tenha emitido sobre a ameaça iminente de uma pandemia global.

À semelhança do que fez inúmeras vezes ao longo da sua História, Portugal tem agora de reinventar a sua estratégia para a frente económica. E embora ainda seja cedo para antecipar a evolução da economia e sejam mais as interrogações do que as certezas (por exemplo, haverá segunda vaga? As viagens aéreas vão recuperar?), podemos já chegar a algumas conclusões. Uma delas é que, sem negar o papel central que o turismo deve desempenhar, Portugal precisa de uma estratégia de reindustrialização, concertada com a que a própria União Europeia terá de levar a cabo, no quadro de uma nova ordem global que está a emergir.

Recomendadas

Os bancos e as ondas de choque da nacionalização da Efacec

Isabel dos Santos não tinha experiência na área da tecnologia, mas os bancos portugueses emprestaram-lhe 110 milhões para a compra da Efacec porque era tida como uma pessoa poderosa, filha do Presidente de Angola, dona de um vasto império empresarial e parceira de grandes empresas portuguesas. As garantias desse empréstimo esfumaram-se com a nacionalização e agora os bancos esperam que, na melhor hipótese, o Estado lhes pague alguma coisa quando a empresa for reprivatizada.

Proximidade excessiva

O Presidente da República perde-se na realidade do dia a dia, torna-se cúmplice dos acontecimentos e desguarnece a posição de válvula do sistema.

Washington aprende com Paris

Pompeu informou os europeus que “os EUA não vão forçar a Europa a escolher entre o mundo livre ou a visão autoritária da China”, como se fosse isso que estivesse em causa.
Comentários