Um Orçamento “inteligente”

O aumento do investimento público em Inovação e Ciência é importante, não só porque evidencia novas prioridades da política pública, mas também porque pode ter um efeito indutor do investimento privado.

Entrou em fase de discussão o Orçamento do Estado para 2017 (OE 2017), que define as prioridades do investimento público para o próximo ano. Numa primeira análise podemos dizer que se trata de uma proposta de Orçamento responsável e, ao mesmo tempo, “inteligente”.

Responsável, porque: i) consegue cumprir os compromissos com Bruxelas, propondo atingir um défice de 1,6% do PIB – que será o menor de sempre da nossa democracia, sucedendo ao também défice histórico de 2,4% previsto para 2016; consegue aumentar o rendimento disponível das famílias, cumprindo o Programa do Governo e os acordos com os partidos que o suportam; consegue reduzir a carga fiscal global, o que sucede pelo segundo ano consecutivo.

Ao mesmo tempo, é um Orçamento “inteligente”, dado que propõe um aumento do investimento na Inovação e na Ciência, áreas críticas para o crescimento e coesão social a prazo. Este facto é relevante por dois motivos: primeiro, porque ocorre num cenário de contração da despesa pública (diminuição do défice); depois, porque contrasta com o que se passou nos Orçamentos no período ‘troika’ (2011-2014), em que houve um desinvestimento nestas áreas, por opção política (dado que não constava no MoU de 2011). Este desinvestimento é comprovado, por exemplo, pela diminuição do investimento público em I&D em cerca de 25% entre 2010 e 2013, com o número de investigadores a trabalhar para o Estado a ser reduzido em cerca de 40% entre 2011 e 2013.

Este aumento do investimento público em Inovação e Ciência é importante, não só porque evidencia novas prioridades da política pública, mas também porque pode ter um efeito indutor do investimento privado. E, estando o investimento privado em I&D e em inovação em Portugal fortemente dependente de apoios públicos – nomeadamente incentivos fiscais e os fundos comunitários do Portugal 2020 –, este facto assume uma importância relevante. Do OE 2017 podemos elencar algumas iniciativas dirigidas às empresas, à sua articulação com as universidades e a sociedade, algumas delas alinhadas com a abordagem da inovação aberta.

Em relação às empresas, é de salientar: o programa “Indústria 4.0”, valorizando as fileiras Agroindustrial, Automóvel, Moda, Retalho e Turismo; a Estratégia “Startup Portugal”, promovendo o empreendedorismo, incluindo o de base territorial e local; o programa “Semente”, com mecanismos de capitalização e de co-financiamento para ‘startups’, envolvendo ‘business angels’ e capital estrangeiro; a redução da taxa de IRC para os 12,5% para as empresas do interior, para os primeiros 15 mil euros de matéria coletável.

Na Ciência e articulação com as empresas, destaque-se: a criação de Laboratórios Criativos, promovendo a colaboração entre empresas e instituições académicas; o reforço das infraestruturas tecnológicas, enquanto veículos de promoção da inovação colaborativa e de projetos mobilizadores; a iniciativa “Research in Portugal”, utilizando a diáspora para promover a ciência que se faz em Portugal, mas também para atrair investimento para projetos inovadores e intensivos em conhecimento; bem como o desenvolvimento de “Agendas Científicas e Empresariais” para os desafios da sociedade portuguesa, nomeadamente na área do clima ou da mobilidade.

Em relação aos cidadãos: volta-se a apostar na promoção da cultura científica e tecnológica (“Clubes de Ciência nas Escolas”); é criado um “Orçamento Participativo para a Ciência”, onde os cidadãos decidem onde aplicar parte das verbas públicas para esta área; promove-se a criação e abertura aos cidadãos de uma rede de Fabricação e Experimentação Digital (“Rede de FabLabs”); aposta-se no envolvimento dos cidadãos na definição e na implementação dos projetos do SIMPLEX+, através do Laboratório de Experimentação da Administração Pública (LabX).

Estes são alguns exemplos de iniciativas que serão dinamizadas com a entrada em vigor do OE 2017 e que dão sinais claros de que estamos perante um novo ciclo de prioridades para o investimento público para os próximos anos.

 

Recomendadas

Aprender a comprar online

A falta de literacia online é ainda um problema a resolver, que prejudica quem compra em sites duvidosos e assusta quem nunca comprou.

Sporting vs. Braga: o desaparecimento ou a emergência de (mais) um grande?

Discute-se hoje o encurtamento das distâncias entre SC Braga e Sporting CP. Será esta uma moda de curta duração ou uma tendência emergente? Estaremos perante um quarto grande ou deveremos deixar de colocar Sporting no lote dos três grandes, dadas as distâncias cada vez mais evidentes para SL Benfica e FC Porto?

Por uma nova ética republicana

A ética republicana deve ir muito além do que está na lei, sob pena de um dia o capitalismo e a própria democracia liberal soçobrarem sob o peso das muitas indignações e da falta de empatia e coesão social.
Comentários