Um país refém da engenharia social-fiscal

O Governo está a estudar a criação de um benefício fiscal para os jovens que saem de casa dos pais.

O Governo está a estudar a criação de um benefício fiscal para os jovens que saem de casa dos pais. Além da eficácia duvidosa, a medida é mais um exemplo da tentação para a engenharia fiscal e social em que nos deixámos enredar nas últimas décadas, com Governos – de esquerda e de direita – que procuram moldar a sociedade por decreto, distribuindo benesses pelas respetivas clientelas eleitorais e castigando todos os outros.

No caso em apreço, ao invés de se reformar a si mesmo e de criar condições para que seja possível reduzir a carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho – de toda a gente e não apenas dos jovens -, o Estado procura acima de tudo manter o statu quo. Enquanto isso, lá distribui uns trocos pela mocidade. Só falta mesmo uma campanha de “consciencialização” a apelar aos jovens para gastarem o bónus fiscal com juizinho.

Daqui não viria grande mal se Portugal tivesse uma economia dinâmica e uma sociedade civil mais forte e interventiva. O problema é que não temos nem uma nem outra e esta tendência crescente para a omnipresença do Estado em todas as esferas das vidas dos cidadãos só vai agravar a situação. Um país assim não cria condições para incentivar o trabalho, o esforço, a poupança e a inovação. O mesmo é dizer que esta situação nos condena à estagnação, para não dizer à decadência. Enquanto o resto do mundo avança, em Portugal damo-nos por contentes por termos um Estado que quer ser o nosso paizinho e asfixia qualquer iniciativa que escape ao seu domínio, condenando-nos a encarnar uma variante “socializante” do mito dos “pobrezinhos, mas honrados”.

Este estado de coisas torna-nos a todos menos livres e tem consequências na qualidade do debate público, na investigação académica, na cultura e no jornalismo que se faz em Portugal. Este último é, de resto, paradigmático: num setor em profunda crise, assistimos a crescentes apelos a financiamentos diretos do Estado aos media privados. E jornalistas há que, quando advertidos com o facto – mais do que comprovado – de não existem almoços grátis, respondem que mais preocupante do que isso será o facto de não existirem almoços, de todo. Está tudo dito: entre o estômago e a liberdade jornalística, não existem dúvidas sobre qual será a prioridade.

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários