“Um passo que nunca foi dado”. Trump enaltece acordo entre EUA e China assinado em Washington

“Assinámos a fase 1 do histórico acordo comercial entre os Estados Unidos e a China. Em conjunto estamos a corrigir os erros cometidos no passado”, frisou o presidente norte-americano, Donald Trump, na conferência de imprensa após a assinatura do acordo.

Em conferência de imprensa na Casa Branca após a assinatura da primeira fase do acordo entre os Estados Unidos e a China, o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que está a corrigir os erros que foram realizados no passado.

“Assinámos a fase 1 do histórico acordo comercial entre os Estados Unidos e a China. Em conjunto estamos a corrigir os erros cometidos no passado”, frisou o presidente norte-americano.

O presidente chinês, Xi Jinping, não estava presente, mas Donald Trump fez questão de salientar que estava a assistir à conferência e prometeu deslocar-se à China “num futuro pouco distante para retribuir”.

Para Donald Trump, o acordo marca “um passo que nunca foi dado em relação à China” e que vai  na “direção de um futuro em que o comércio é justo e recíproco”. “Estamos a desenvolver umfuturo com uma economia justa e segura para os trabalhadores, agricultores e famílias norte-americanos”, referiu o presidente dos Estados Unidos.

Anunciado e confirmado por Washington e Pequim a 13 de dezembro de 2019, este acordo parcial assinalou desde logo a aceitação da administração Trump de não escalar ainda mais as tensões comerciais entre as duas maiores potências económicas mundias porque ambas as partes  chegaram a acordo dois dias antes da nova entrada em vigor de novas tarifas impostas pelos norte-americanos às importações chinesas no valor de 156 mil milhões de dólares, previstas para o dia 15 de dezembro.

Os Estados Unidos aceitaram ainda reduzir para metade as tarifas introduzidas às importações chinesas em setembro do ano passado, no valor de 120 mil milhões de dólares, de 15% para 7,5%. As concessões norte-americanas esgotam-se aqui. Robert Lightizer, que liderou as negociações do lado norte-americano, excluiu outras reduções às tarifas impostas às importações de produtos chineses. Washington mantém assim as tarifas de 25%, no valor de 250 mil milhões de dólares, que foram introduzidas desde o início da guerra comercial, em março de 2018.

A China, por sua vez, comprometeu-se a comprar anualmente produtos norte-americanos no valor de 200 mil milhões de dólares, incluindo 40 mil milhões em produtos agrícolas. O acordo prevê o reforço da proteção da propriedade intelectual dos produtos e tecnologias norte-americanos, uma das maiores exigências do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Está também acordada a proibição da transferência forçada de tecnologia das empresas norte-americanas.

Liu-He, vice-primeiro-ministro chinês, não cedeu noutros pontos reclamados por Washington. A China recusou fazer concessões nos subsídios industriais e em utilizar as empresas estatais. A cibersegurança, particularmente o roubo cibernético (cybertheft), também ficou de fora do acordo parcial.

Ler mais

Relacionadas

“Acordo comercial? O próximo passo vai ser o mais difícil”

Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisou no programa “Mercados em Ação” a questão do acordo comercial entre EUA e China e considera que o mais difícil ainda está por vir.

Acordo parcial entre EUA e China aliviou investidores, mas contexto global ainda gera incerteza

Os Estados Unidos e a China deverão assinar hoje o acordo de ‘fase 1’ numa cerimónia na Casa Branca. “É positivo para a economia mundial desde que acabe com a tendência de confronto”, disse François Savary, especialista em mercados financeiros, ao Jornal Económico. Mas salientou que o “contexto global que ainda gera incerteza no comércio mundial”. No horizonte, está a agora a possibilidade de um segundo acordo entre as duas maiores potências económicas mundiais.
Recomendadas

Coronavírus ‘contagia’ Wall Street. Todos os índices em queda

A imprensa internacional dá conta de que o vírus chinês, que teve origem na cidade de Wuhan, já vitimou pelo menos 80 pessoas. A China, que já disse que os sintomas do vírus podem demorar até 14 dias para se manifestaram, cancelou diversos serviços de transportes públicos e celebraçoes da entrada no novo ano para conter a propagação do vírus. As chegadas de turistas a Macau, a capital do jogo, registaram uma queda de 80% face a igual período do ano passado, noticiou a “Bloomberg”.

Coronavírus remete touros ao descanso

Os investidores optam para já pela cautela, alocando capital nos activos refúgio, em resposta à incerteza que emana da situação relativa ao coronavírus.

CTT, Galp e papeleiras pressionam bolsa portuguesa

No PSI 20, quinze empresas cotadas desvalorizam, duas valorizam e uma negoceia sem variação.
Comentários