PremiumUm projeto agrícola que remonta ao século XVIII

Povoação humana já vem do Paleolítico Inferior. Fenícios e romanos deixaram as vinhas. Valorização agrícola acentuou-se no século XIX.

O Rio Frio situa-se junto aos estuário do rio Tejo e do rio Sado, numa região que esteve até há dois milhões de anos integrada pelo próprio estuário do rio Sado e onde a ocupação do homem remontará ao Paleolítico Inferior.

No site da própria Herdade do Rio Frio destaca-se que o território foi “visitado pelos gregos e fenícios que terão sido responsáveis pela introdução da cultura da vinha na região”.

“A sua ligação ao estuário do Tejo levou a que, nos séculos I a V dC, os romanos se instalassem no território e tirando proveito das águas calmas deste rio, ricas em peixe, e das condições naturais locais, criassem o importante Centro de Produção Industrial de ânforas designado como “Porto de Cacos” ou “Canto das Adegas” e classificado como “sítio de interesse público nacional” com uma área de quase 200 hectares no centro da Herdade”, acrescenta a informação oficial da empresa.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumEstado e BCP colocam Herdade do Rio Frio à venda

É uma das maiores herdades do país, com cerca de cinco mil hectares. Tem produção pecuária, de vinhos, cortiça, arroz e criação de cavalos lusitanos.
Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários