PremiumUm projeto agrícola que remonta ao século XVIII

Povoação humana já vem do Paleolítico Inferior. Fenícios e romanos deixaram as vinhas. Valorização agrícola acentuou-se no século XIX.

O Rio Frio situa-se junto aos estuário do rio Tejo e do rio Sado, numa região que esteve até há dois milhões de anos integrada pelo próprio estuário do rio Sado e onde a ocupação do homem remontará ao Paleolítico Inferior.

No site da própria Herdade do Rio Frio destaca-se que o território foi “visitado pelos gregos e fenícios que terão sido responsáveis pela introdução da cultura da vinha na região”.

“A sua ligação ao estuário do Tejo levou a que, nos séculos I a V dC, os romanos se instalassem no território e tirando proveito das águas calmas deste rio, ricas em peixe, e das condições naturais locais, criassem o importante Centro de Produção Industrial de ânforas designado como “Porto de Cacos” ou “Canto das Adegas” e classificado como “sítio de interesse público nacional” com uma área de quase 200 hectares no centro da Herdade”, acrescenta a informação oficial da empresa.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumEstado e BCP colocam Herdade do Rio Frio à venda

É uma das maiores herdades do país, com cerca de cinco mil hectares. Tem produção pecuária, de vinhos, cortiça, arroz e criação de cavalos lusitanos.
Recomendadas

Premium“Economia do Frio”: Negócios que aquecem sempre que os nosso termómetros baixam

Janeiro geoso e fevereiro chuvoso fazem o ano formoso. O ditado é antigo, mas mantém-se atual.

PremiumGás Natural: Energia que chega por barco e gasoduto

Mais de 1,3 milhões de portugueses têm a casa aquecida e o fogão a funcionar graças a um combustível fóssil, o gás natural (GN), que chega de outros países.

PremiumDavos: Como é a vida na cimeira dos poderosos

Em Davos, uma das mais importantes estâncias de esqui da Suíça, famosa por receber o Fórum Económico Mundial, o dia começa cedo.
Comentários