Uma cidadã do mundo sob o signo de Putin

Dizer que a realidade supera a ficção torna-se um eufemismo perante investigações jornalísticas como aquela que o Jornal Económico divulga nesta edição.

Dizer que a realidade supera a ficção torna-se um eufemismo perante investigações jornalísticas como aquela que o Jornal Económico divulga nesta edição. Além do valor noticioso das revelações acerca da verdadeira dimensão do império empresarial de Isabel dos Santos, espalhado por vários países de diversos continentes, lê-se como um romance de John Le Carré – até porque os enredos do escritor inglês são, não raras vezes, decalcados de histórias reais – o modo como a filha primogénita do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos se converteu na cidadã russa Isabel Dosovna Kukaeva, tirando proveito da nacionalidade da mãe tanto quanto as autoridades de Luanda a acusam de ter aproveitado o poder do pai.

Aquilo que JoãoPalma-Ferreira relata aos leitores do Jornal Económico, com base em diversas fontes e dados, é o percurso de uma verdadeira cidadã do Mundo, tão pronta a ser a “princesa” que lhe chamavam em Luanda quando havia razoável certeza de que não havia ouvidos inconvenientes por perto como a tonar-se uma aspirante a oligarca que conta com o beneplácito do presidente russo Vladimir Putin e daqueles que são próximos de um dos homens mais poderosos dos tempos modernos.

Está por apurar o que o destino reservará à empresária que nasceu em Baku há 46 anos e se vê envolvida em negócios que tão depressa passam por oleodutos noCurdistão quanto em bilhética na Rússia. Ninguém duvidará, contudo, que Isabel Dosovna Kukaeva é o tipo de mulher que tudo fará para escrever a sua própria história.

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários