Uma Faixa, uma Rota, uma oportunidade, uma ameaça

A “Nova Rota da Seda” já conta com 129 países, incluindo Portugal. Ainda não sabemos ao certo que infraestruturas serão desenvolvidas, além da rede 5G da Huawei em parceria com a Altice, mas importa estarmos atentos.

Na primeira semana de março o governo italiano anunciou medidas no sentido de um memorando de entendimento (MdE) no âmbito da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” (BRI, na sigla inglesa), ou “Nova Rota da Seda”. A confirmar-se, será o primeiro país do G7 a integrar o plano bilionário de Xi Jinping, que já conta com 129 países, incluindo Portugal (Hong Kong Trade Development Council). Destes, cerca de metade é avaliada como lixo, ou pior, pelas agências de rating.

Portugal assinou o MdE da “Nova Rota da Seda” no final do ano passado, no qual, citando o resumo disponibilizado pelo Governo, se “estabelece as modalidades de cooperação bilateral (…) abrangendo uma ampla gama de setores, com destaque para a conectividade e mobilidade elétrica.”

Os EUA e restantes grandes economias do ocidente alertam para as finalidades geoestratégicas da China de poder aumentar a sua influência militar. Muitos também acusam a iniciativa de ser uma armadilha de dívida, e de favorecer a competitividade das empresas chinesas nos mercados externos (“FT”). Por outras palavras, é um acordo “de chineses, por chineses, para chineses”, dado que o financiamento provém de bancos e fundos estatais da China, os contratos são, na maior parte dos casos, para construtoras chinesas em grande necessidade de escoar o excesso de capacidade, e os trabalhadores são… chineses.

A BRI é um projeto multimilionário que facilmente chegará aos biliões, no longo prazo. O objetivo? Formalmente, passa por aumentar de forma significativa a conectividade entre a China e o resto da Ásia (o eixo), Europa e África (ala oeste) e América Latina (ala este), assim desenvolvendo o comércio e a prosperidade entre os países. O meio? Uma rede de grandes investimentos em infraestruturas e indústrias cruciais, com foco na ferrovia, portos, centrais elétricas e telecomunicações.

Em Portugal ainda não sabemos ao certo que infraestruturas serão desenvolvidas, além da rede 5G da Huawei em parceria com a Altice. Contudo, a BRI já avançou em muitos países da Ásia, onde pelo menos seis protagonizaram notícias trágicas para a iniciativa e reputação da China.

Do Sri Lanka podemos retirar ilações da tragédia do Porto de Hambantota, ou melhor, “Porto da Bancarrota”. Um simples enredo de corrupção e estratégia geopolítica chinesa culminou no país a devolver o investimento à China. O que é importante reter e evitar no futuro são as cedências à pressão dos parceiros chineses, que, em troca de melhores empréstimos, conseguiram obrigar o Sri Lanka a aceitar unicamente empresas chinesas para a realização da obra e a divulgar informação privilegiada sobre os clientes do porto às autoridades de Pequim (“Foreign Affairs”).

As “red flags” da cooperação sino-portuguesa também podem extender-se à rede 5G a ser desenvolvida pela Huawei, sendo preocupante a existência das leis da inteligência nacional (2017) e da contra-espionagem (2014), que estipulam a divulgação obrigatória de qualquer informação que o Estado exija às empresas.

Recomendadas

Sindicatos chegam a acordo com Transtejo e Soflusa e equacionam levantar greve

Os sindicatos dos trabalhadores da Transtejo e Soflusa aceitaram esta segunda-feira um aumento de 28 euros para todas as categorias.

Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

EuroBic também anuncia Verão sem gravata

Mais um banco a aderir à moda de deixar de obrigar ao uso da gravata. Desta vez é o EuroBic, depois do Montepio e do BCP. Lá fora a moda parece ter vindo para ficar.
Comentários