“Uma fraude”. Sócrates desmente Ricciardi sobre sugestão de investimento na EDP

O antigo primeiro-ministro considerou as declarações de José Maria Ricciardi nos autos do caso EDP como “uma fraude”. Sócrates salienta que “começa a ser particularmente obsceno a troca de favores entre o Ministério Público e o dr. Ricciardi”.

José Sócrates desmentiu “vigorosamente que alguma vez tenha sugerido ou incentivado seja quem for a investir na empresa EDP”. De acordo com o “Observador” publicou esta segunda-feira, 23 de dezembro.

Numa resposta por escrito enviada ao “Observador” o antigo primeiro ministro considerou as declarações de José Maria Ricciardi nos autos do caso EDP “como outras feitas ao longo dos últimos anos, são uma fraude”.

José Sócrates vai ainda mais longe e salienta que “começa a ser particularmente obsceno a troca de favores entre o Ministério Público e o dr. Ricciardi, já que um diz o que o outro quer ouvir, enquanto o segundo espera que do outro lado haja proteção em processos em que  esta envolvido”.

O antigo primeiro ministro português assume que um desses processos em que José Maria Ricciardi estará envolvido tem a ver “com a privatização da [empresa] REN – Redes Energéticas Nacionais e a sua relação — essa, sim, próxima — com o então primeiro ministro Passos Coelho”.

Recomendadas

Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lança campanha de sensibilização para a importância da profissão

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade.
TAP Portugal

TAP: Tribunal rejeita providência cautelar para travar empréstimo do Estado

O tribunal decidiu não avançar com o processo iniciado pela Associação Comercial do Porto que visava travar a injeção de liquidez do Estado que pode vir a atingir os 1.200 milhões de euros.

Como Ricardo Salgado e o gestor do BES Madeira contrataram um figurante para usar depósitos venezuelanos no financiamento do GES

Para conseguir usar os saldos das contas milionárias das empresas públicas venezuelanas, Ricardo Salgado montou uma complexa teia, com a ajuda de João Alexandre Silva, responsável pelo BES/Madeira, para forjar um investimento da empresa estatal dos petróleos da Venezuela na Rioforte. A operação, relatada pelo MP, incluiu um falso representante da PDVSA, e um falso concurso internacional para a gestão de fundos das entidades venezuelanas, no valor de 3,5 mil milhões.
Comentários