Uma mochila que nasce a partir de cintos de segurança de automóveis

A Mochila Benefício – Série Beltimore, é o segundo lançamento desta editora, que coloca apenas 100 exemplares de cada produto à venda. A produção da mochila, feita de cintos de segurança, juntou um alfaiate e uma empresa de abate de carros.

O Benefício é uma editora de produtos que iniciou a sua atividade em outubro de 2016. Incubada na Startup Lisboa tem a sua sede no OBITEC (Parque Tecnológico de Óbidos), uma vez que o acesso a produtores certificados e de alta qualidade, facilitando a criação de novos produtos, ou incrementando a dinâmica de Cross-selling entre produtores.

Para Ricardo Nunes e Paulo Fernandes, fundadores desta startup, “o Benefício é um agregador e um curador. Somos anti-escala, queremos provar que é possível criar produtos com valor, através da disrupção do modelo de baixo custo, sem esmagar quem cria e produz. Foi desta forma natural que nasceu a primeira série totalmente desenhada em regime colaborativo e de co-criação”.

Do seu primeiro Benefício – uma garrafa de azeite -, esta segunda série aumentou o tempo de vida espectável dos dois principais materiais da edição – cintos de segurança e pele, que resultaram numa mochila com acabamentos em cabedal tradicional, suportando computadores até 15 polegadas, ou como complemento de moda.

Cada uma das 100 mochilas será produzida manualmente e será personalizada com uma etiqueta com o nome do seu proprietário e número de série (de 1 a 100). Os empreendedores revela que se estes materiais não fossem utilizados para produzir a Mochila Benefício – Série Beltimore, os cintos de segurança e a pele nunca seriam mais do que desperdício ou material para incineração. “Foi assim que se aumentou o tempo de vida espectável dos dois principais materiais desta edição. Mas a sustentabilidade não é a única coisa com que esta editora se preocupa, O Benefício também quer produzir segundo os valores do comércio justo”, salientam.

Para além do Benefício e da Beltimore, na criação e implementação do conceito, estiveram envolvidas a Batista S.A. e a ValorCar, na concessão da matéria-prima, e Mohammad Ameen, na confecção da mochila. O projeto deste segundo Benefício nasceu da ideia de Rui Café e Rita Guerreiro, de produzir uma peça feita a partir de cintos de segurança de automóveis. Juntos, imaginaram e conceberam a mochila. Mas as novas colaborações não ficam por aqui, O Benefício também se juntou à Planetiers, um mercado online de produtos sustentáveis.

Recomendadas

Startup portuguesa Sword Health fecha financiamento de 7 milhões de euros

A ronda de investimento de série A foi liderada pela Khosla Ventures e apoiada por outros ‘business angels’ , contando ainda com a participação dos atuais investidores.

Startups da ourivesaria têm a vida facilitada com nova “oficina co-work”

A Associação Nacional de Jovens Empresários e a Câmara de Gondomar uniram-se para facilitar o acesso dos ourives empreendedores a instrumentos para começarem o negócio. “Há vários jovens e ideias frescas prontos para por mãos à obra, precisam apenas de um apoio inicial. O investimento para entrar no setor é muito elevado, a aquisição das ferramentas mais básicas rondará os 50 mil euros”, diz ao Jornal Económico Francisco Mendes, diretor da ANJE.

Nabeiro convida startups a desenvolverem pilotos para as empresas do grupo

Desenvolvido pelo centro de inovação interno, em parceria com a consultora iMatch, o programa desafia pequenas empresas a apresentar soluções de produto, sustentabilidade e interação com o consumidor. “O grupo irá, mediante análise de cada uma, assegurar o financiamento necessário para o desenvolvimento e implementação dos respetivos pilotos”, refere Rui Miguel Nabeiro ao Jornal Económico.
Comentários