“Uma perda de tempo e energia”. Juncker critica impasse do Brexit

O processo de divórcio entre o Reino Unido e os 27 está dependente da sessão parlamentar desta tarde, na Câmara dos Comuns. Até que se chegue a um consenso em Westminster, os eurodeputados no Parlamento Europeu não deverão aprovar o acordo do Brexit.

Esta terça-feira os eurodeputados reuniram-se no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, para debater (mais uma vez) o futuro do Brexit. Os deputados debateram com Donald Tusk e com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o impasse britânico e o acordo aprovado na semana passada pelos chefes de Estados e de Governo.

Num discurso em que começou por fazer uma avaliação do seu mandato que chega ao fim depois de cinco anos, Juncker não hesitou em falar no Brexit. “Para dizer a verdade, custou-me imenso ter gasto tanto tempo a lidar com  o Brexit quando sempre pensei que esta união podia fazer bem aos nossos cidadãos”, começou por dizer. “Foi uma perda de tempo e energia”, rematou.

“Vou lamentar sempre a decisão do Reino Unido de abandonar a União Europeia, mas ao menos podemos olhar para nós e dizer que fizemos tudo ao nosso alcance para que a saída acontecesse de forma ordeira”, cita o The Guardian as declarações do presidente da Comissão Europeia, esta manhã.

Por fim, relembrou que para que o processo estivesse mais perto de uma resolução, os parlamentares em Westminster têm primeiro de votar no acordo antes dos eurodeputados poderem dar o seu parecer: “Primeiro Londres, depois Estrasburgo”, disse Juncker.

O Parlamento Europeu não deverá aprovar o acordo do Brexit esta semana

Enquanto não há decisão em Londres, o pedido de extensão feito no sábado pelo Parlamento britânico deverá permanecer em standby.

Donald Tusk ficou de consultar os 27 sobre a possibilidade de prolongar a permanência dos britânicos por mais algum tempo. No entanto, a UE quer primeiro ver esclarecidas as razões pelas quais os britânicos precisam de mais tempo. Eleições? Um referendo? Ou uma mera extensão técnica para passar legislação, caso o acordo seja aprovado já muito em cima do dia 31

“O Parlamento Europeu não vai votar o Acordo de Saída enquanto a Câmara dos Comuns não tomar uma decisão final”, afirma Pedro Silva Pereira aos jornalistas em Estrasburgo, esta segunda-feira. O eurodeputado do PS e vice-presidente do Parlamento Europeu exclui, assim, uma votação do documento durante a sessão plenária que arrancou esta segunda-feira na cidade francesa: “significa que não vamos ter certamente uma aprovação do acordo de saída por parte do PE esta semana”.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai tentar esta terça-feira aprovar a legislação necessária para poder garantir que o Reino Unido sai da União Europeia no dia 31 de outubro quer haja ou não consenso na Câmara dos Comuns em torno do acordo negociado por Downing Street com Bruxelas.

Ler mais
Recomendadas

Angola vai aos mercados buscar até 3 mil milhões de dólares

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos do Banco Fomento Angola diz que a equipa do Ministério das Finanças reuniu-se com vários investidores na semana passada em Nova Iorque, numa operação que será apoiada pelo Deutsche Bank, ICBC e Standard Chartered.

Criminalidade e delinquência são o maior risco de segurança para empresas em Angola, diz Fitch

De acordo com um relatório que apresenta os riscos operacionais em Angola para o primeiro trimestre de 2020, produzido pela consultora Fitch e a que a Lusa teve acesso, a história violenta de Angola, a desigualdade e os altos níveis de pobreza são fatores que contribuem para o elevado nível de crimes com motivação económica no país.

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.
Comentários