“Uma prova real de compromisso”. Pedro Sánchez exige “solidariedade firme” da União Europeia

“A União Europa está a enfrentar uma guerra diferente do que aquelas que temos conseguido evitar nos últimos 70 anos: uma guerra contra um inimigo invisível que está a colocar o futuro da Europa à prova”, escreve Sánchez no ‘The Guardian’.

Pedro Sanchéz, lider do PSOE

O número de mortos em Espanha tem aumentado nos últimos dois dias depois de quatro dias de abrandamento, sendo o segundo país europeu com mais óbitos por Covid-19. Com a pandemia da Covid-19, os maiores países europeus estão a projetar recessões acima dos 3%, e o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez escreveu sobre o futuro que a Europa pode enfrentar perante a guerra contra o coronavírus.

O texto assinado por Pedro Sánchez foi publicado no jornal britânico ‘The Guardian’, onde este aponta que a Europa tem duas opções: responder com “solidariedade inabalável” ou ver a união falhar, depois de sustentar que o continente europeu “está a passar pela pior crise desde a Segunda Guerra Mundial”.

“Os nossos cidadãos estão a morrer, ou a lutar pelas suas vidas nos hospitais que estão sobrecarregados pela pandemia, que representa a maior ameaça à saúde pública desde a pandemia da gripe em 1918”, escreve o primeiro-ministro Pedro Sánchez.

“A União Europa está a enfrentar uma guerra diferente do que aquelas que temos conseguido evitar nos últimos 70 anos: uma guerra contra um inimigo invisível que está a colocar o futuro da Europa à prova”, lê-se no texto onde Sánchez explica que estas circunstâncias excepcionais “exigem posições firmes” para ou enfrentar o desafio ou fracassar enquanto conjunto.

“Chegámos a um momento crítico em que mesmo os países e governos mais fervorosamente pró-europeus, como é o caso da Espanha, precisam de uma prova real de compromisso. Precisamos de solidariedade firme”, acrescentando que “a solidariedade entre europeus é a chave-principal dos tratados da União Europeia” e que esse sentimento deve ser demonstrado perante o momento atual.

“Encontrámos várias medidas significativas que foram anunciadas nas últimas semanas, incluindo o novo programa temporário de compras de emergências do Banco Central Europeu e o plano SURE da Comissão Europeia para quem perdeu o emprego devido à pandemia”, diz o primeiro-ministro espanhol no ‘The Guardian’ embora sustente que estas medidas não suficientes para o futuro difícil que se avizinha.

Pedro Sánchez sustenta que “a Europa precisa de construir uma economia de guerra, além de promover a resistência, reconstrução e recuperação de todas as economias europeias” afetadas pelo novo coronavírus. Assim, o primeiro-ministro espanhol defende que este programa deve começar a ser construído de forma rápida, e que inclua medidas “para apoiar a dívida pública que muitos países, incluindo Espanha, estão a assumir”.

Desta forma, Pedro Sánchez defende um novo plano Marshall, mas sublinha que este programa “exigirá o apoio de todas as instituições comuns da União Europeia”. O primeiro-ministro espanhol aponta ainda que a “Europa nasceu das cinzas de destruição e conflito” mas que podemos transformar a crise de Covid-19 “numa oportunidade de reconstruir uma União Europeia muito mais forte”.

Ler mais
Relacionadas

Espanha regista mais 757 mortes em 24 horas

O valor divulgado esta quarta-feira, 8 de abril, representa um novo aumento face ao dia de ontem, depois de quatro dias de abrandamento no número de óbitos diários.

Espanhóis deverão regressar à “vida normal” a partir de 26 de abril, informa ministra das Finanças

A ministra das Finanças especificou que os técnicos do Ministério da Saúde ainda precisam das informações que lhes serão fornecidas nas próximas duas semanas para “desenhar” os cenários deste regresso à normalidade
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários