Uma visão sobre as exigências futuras das empresas do setor TMT

Num contexto de significativa disrupção e incerteza, as empresas são desafiadas a antecipar como será o futuro e qual será o seu impacto.

Num contexto de significativa disrupção e incerteza, as empresas são desafiadas a antecipar como será o futuro e qual será o seu impacto. O dilema é indiscutivelmente maior para as empresas do setor de tecnologia, media e telecomunicações (TMT), que lidera a disrupção, mas que está também permanentemente exposto à ameaça de entrada de novas entidades disruptivas.
Em acréscimo, a tecnologia 5G permitirá criar novos modelos de negócios e possibilidades quase infinitas para as empresas TMT, no mínimo, permitindo que a internet possa ser acedida em mais lugares e por mais pessoas do que nunca.

Para prosperar num mundo cada vez mais conectado, as empresas TMT precisam investir na tecnologia 5G e noutras inovações avançadas, incluindo inteligência artificial, blockchain, cloud, IoT e RPA. Para ter sucesso, estas tecnologias terão que ser usadas de formas inovadoras, integrando-as em plataformas que forneçam uma base para uma rápida e robusta capacidade de tomada de decisões.

Não sabemos que produtos e mercados existirão no futuro, mas isso não é relevante. O sucesso não reside em saber que produtos estaremos a vender, e a que clientes, daqui a 10 anos. O fator diferenciador e de sucesso vai assentar na capacidade de criar e dispor de plataformas flexíveis que permitam às empresas transformar-se em empresas digitais adaptáveis que conseguem ter capacidade de rápida resposta perante oportunidades de mercado imprevistas.

No mundo imprevisível de amanhã, as empresas TMT líderes de mercado devem:

  • Compreender o mercado e as sensibilidades operacionais de seus modelos de negócios
  • Equipar-se para terem capacidade de reagir em tempo real às alterações de mercado
  • Usar plataformas interativas e ecossistemas que lhes permitam coordenar os seus recursos para uma interação continua em resposta às permanentes e rápidas exigências de mudança dos seus clientes.

 

Adaptar os modelos de negócio às sensibilidades do mercado
Um exemplo pertinente de sensibilidade ao mercado é o impacto da mudança demográfica dos clientes sobre as estratégias de canais e conteúdos no setor de media e entretenimento. Um estudo recente de EY destaca a necessidade para que as empresas acomodem as preferências da geração cada vez mais tech-savvy do baby boomer, que tem rendimento disponível e que tendem a ser mais leais do que as gerações mais novas.

Para conseguir isso, as empresas têm que adotar uma abordagem orientada e sustentada em dados que permitam entender como as gerações mais antigas utilizam a tecnologia, para que possam criar experiências personalizadas nos canais certos e desbloquear enormes oportunidades de crescimento.

 

Resposta em tempo real
Há uma série de novas ferramentas que podem permitir às empresas TMT a leitura imediata das necessidades de mercado. Aproveitar os dados gerados nas redes sociais é um exemplo óbvio, e plataformas mais inovadoras surgirão no futuro. É fundamental que as empresas façam uso das tecnologias que têm à sua disposição e se posicionem nessas plataformas.

Uma área emergente de oportunidade é o comércio de conversação em que as empresas podem usar chat bots e outros mecanismos de chat automatizado para interagir com os consumidores. O comércio conversacional pode ser uma ótima maneira de trazer uma marca para os consumidores e construir uma relação personalizada, confiável e bidirecional a longo prazo.

 

A transformação exige interação contínua
Não há nenhum ponto final para a transformação. É um processo contínuo que requer interação contínua, em resposta às dinâmicas de exigência dos clientes. As empresas TMT que compreendem isso já ajustaram suas estratégias de negócios e tecnologia em conformidade.

Por exemplo, algumas entidades utilizam inteligência artificial (IA) para transformar as operações de back-office em centros de suporte de negócios globais prontos para o futuro. Estas ferramentas de IA vão evoluir ainda mais, pois melhoram a sua capacidade de espelhar a inteligência humana e realizar análises mais complexas, orçamentação, tomada de decisões e planeamento. As empresas vão tornar-se mais ágeis e mais rápidas no mercado e poderão responder às necessidades dos seus clientes melhor e mais rapidamente.

 

A próxima onda da indústria
Nós não sabemos que empresas serão os gigantes TMT de amanhã. Na verdade, podem nem existir ainda. No entanto, uma coisa que podemos ter certeza: serão empresas digitais adaptativas que estão predispostas a reagir à mudança de comportamentos dos clientes e para aproveitar as oportunidades de mercado. Para estas entidades, o planeamento será um processo fluído e vão cultivar estratégias operacionais “plug-and-play” que lhes permitam fazer ajustamentos rápidos. Eles também vão atuar em ecossistemas expansivos e com tecnologias avançadas que lhes permitam tomar decisões de negócios impactantes no momento certo e no lugar certo.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Investigação interna ou externa – qual o impacto para as empresas?

Assiste-se cada vez mais ao desenvolvimento e reforço do ambiente de controlo interno das empresas. No entanto, as fraudes aparecem quando e onde menos se espera.

Englobamento de rendimentos de capitais e prediais – Equidade fiscal vs. Incentivo ao investimento

De entre as medidas fiscais inscritas no programa do Governo que poderão vir a ser contempladas no próximo Orçamento do Estado para 2020, aquela que mais mediatização tem vindo a ter é a que respeita à obrigatoriedade do englobamento dos rendimentos de capitais e prediais para efeitos de determinação do rendimento coletável em sede do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

A procura como indutora da mobilidade do futuro

Em 2040 é esperado que metade dos novos veículos vendidos em todo o mundo sejam conectados e autónomos (1), havendo já nos nossos dias a expectativa que serviço de mobilidade partilhada será a opção preferida de consumo em detrimento da propriedade da viatura (cerca de metade dos Europeus assim o dizem, com variações locais) (2). […]
Comentários