União Europeia quer 70% da população vacinada até ao verão e criar certificados de vacinação

Bruxelas está a elaborar um conjunto de recomendações aos Estados-membros. Comissão Europeia garante que irá fechar um protocolo para certificados de vacinações “que podem ser reconhecidos e utilizados” em toda a UE, para substituir quarentenas e os requisitos de teste.

Numa altura em que o número de casos de infetados com o novo coronavírus volta a crescer, a Comissão Europeia fixou o objetivo de vacinar de pelo menos 70% na União Europeia (UE) e, por isso, exorta os 27 Estados-membros a avançar com os programas de vacinação. De acordo com a Bloomberg, este objetivo faz parte de um novo conjunto de recomendações de Bruxelas, que deverá ser divulgado esta terça-feira.

Entre as recomendações é referido o objetivo de, até março de 2021, os Estados-membros deverem vacinar “um mínimo de 80% dos profissionais de saúde e de assistência social e das pessoas com mais de 80 anos”. Acresce que “até ao verão de 2021, os Estados-membros devem ter vacinado um mínimo de 70% da população adulta”.

Acresce a este objetivo, segundo a Bloomberg, a garantia de que até ao final de janeiro a Comissão Europeia vai fechar um protocolo para certificados de vacinações “que podem ser reconhecidos e utilizados nos sistemas de saúde em toda a União Europeia – e que poderiam ser aumentados globalmente em coordenação com a Organização Mundial de Saúde”.

Desta forma, quem estiver vacinado poderá utilizar o certificado de vacinação para, em caso de viagem para outro país da UE, contornar os critérios atuais (cumprir quarentena e realizar um teste à doença Covid-19).

As recomendações de Bruxelas passarão também pelo rastreio a novas estirpes, pela expansão da utilização de testes rápidos, bem como pelo sensibilização das populações a não realizar viagens não essenciais.

Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários