Universidade Católica é a “primeira escola portuguesa” a passar diplomas com blockchain

A Católica será mesmo a primeira instituição de ensino a nível nacional a usar blockchain para a emissão deste tipo de documento.

Universidade Catolica

A partir de 2021, a universidade Católica Lisbon School of Business & Economics (UCL) começa entregar os seus diplomas de formação executiva com a emissão de certificados digitais em blockchain.

Esta novidade tem como base a tecnologia Smart Certificate criada pela start-up belga CVTrust (os planos desta empresa começam nos 575 euros/ano) e garante a «integridade» dos diplomas, ao «assegurar que os mesmos não são modificados por terceiros».

O facto de estes diplomas estarem protegidos por blockchain, faz com que «qualquer alteração, como actualizações, revogações, expiração ou extensão do período de validade» sejam «instantaneamente visíveis nos certificados», explica Filipe Santos, director da UCL.

Para este responsável, a tecnologia dos certificados digitais vai ainda permitir que não haja «fraudes» nos currículos dos alunos da UCL (não será possível “piratear” um diploma) e, em paralelo, «facilitar o processo de recrutamento», uma vez que as empresas poderão «facilmente garantir a veracidade dos diplomas».

A Católica Lisbon School of Business & Economics será mesmo a primeira instituição de ensino a nível nacional a usar blockchain para a emissão deste tipo de documento académico.

PCGuia
Recomendadas

Nova legislação europeia da inteligência artificial “tem um efeito comparável ao RGPD”

A Comissão Europeia apresentou uma proposta de regulamento para os sistemas de inteligência artificial com base em quatro níveis de risco: inaceitável, elevado, limitado e mínimo.

PremiumCapgemini reforça ‘know how’ na área de engenharia

Apesar da procura acrescida em 2020, a Capgemini reporta um ano “sem disrupções”. Agora, o grupo procura com a Capgemini Engineering reforçar a sua capacidade técnica em sectores chave.

Ophiomics é a primeira empresa portuguesa a receber verbas do fundo do European Innovation Council

Ophiomics assegurou um investimento de um milhão de euros do fundo do European Innovation Council, no âmbito do programa-quadro Horizonte Europa, que é uma continuação do Horizonte 2020. Biotecnológica portuguesa é uma das 75 PME europeias mais “promissoras” para Bruxelas.
Comentários