Universidade da Madeira conquista segundo lugar em concurso nacional de empreendedorismo

O Palmito do Atlântico é um projeto voltado para a sustentabilidade e para a economia circular, alinhado com os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Campus da Universidade da Madeira, Penteada, Funchal

A Universidade da Madeira conquistou o segundo lugar na 17ª edição do concurso nacional de empreendedorismo, Poliempreende, que decorreu nos dias 13 a 16 do presente mês de setembro, no Instituto Politécnico de Santarém.

Participaram no concurso, mais de uma centena de alunos, investigadores e docentes de 22 instituições de ensino superior nacionais, tendo João Petito, estudante do Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) em Cozinha e Produção Alimentar, da Escola Superior de Tecnologias e Gestão, arrecadado o prémio de cinco mil euros, atribuído pela Delta Cafés, com o projeto Palmito do Atlântico.

O Palmito do Atlântico é um projeto voltado para a sustentabilidade e para a economia circular, alinhado com os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Na prática, pretende o aproveitamento de toda a matéria-prima das bananeiras, nomeadamente fibras, folhas e o palmito, por forma a evitar desperdícios e introduzir novos produtos na cadeia alimentar. Trata-se de um produto alimentício não convencional, rico em fibras e de alto valor nutricional, substituindo em diversos pratos, tanto a carne, como o peixe.

Recomendadas

Funchal: PS recorre ao PAN para viabilizar executivo em Santa Maria Maior e critica intransigência do BE

O PS critica a intransigência do Bloco de Esquerda (BE) em fazer parte da equipa da junta com um determinado elemento, o que levaria ao incumprimento da Lei da Paridade. Os socialistas sublinham que o presidente eleito para a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior ofereceu a presidência da Assembleia de Freguesia ao BE que foi recusada.

Madeira apoia plataforma que pretende estimular estilos de vida saudáveis na população idosa

Através do projeto será desenvolvida uma plataforma “com recurso a dispositivos médicos inteligentes e sensores ambientais contínuos, associados a fatores de risco clinicamente significativos em pessoas idosas com diversas comorbidades presentes”, salienta a Secretaria Regional da Saúde e Proteção Civil.
Comentários