Universidade Europeia cria centro de estudo para acompanhar e monitorizar aplicação do RGPD

O novo entro de Estudo sobre Privacidade e Proteção de Dados Pessoais via ter cursos online e presenciais sobre o RGPD.

Adam Nowakowski – Unsplash

A Universidade Europeia criou o Centro de Estudo sobre Privacidade e Proteção de Dados Pessoais para «acompanhar e monitorizar» a implementação do «novo quadro normativo de protecção de dados pessoais da União Europeia», o RGPD.

Este novo centro da Universidade Europeia (UE) vai colaborar com «instituições portuguesas e estrangeiras na área da protecção de dados pessoais». Outro dos objectivos é dar «cursos em regime presencial e em regime de ensino a distância» sobre este tema.

Para assinalar a criação deste Centro de Estudo sobre Privacidade e Proteção de Dados Pessoais, a universidade vai organizar um webinar via Zoom cujo tema será a protecção de dados durante a pandemia da COVID-19.

Este webinar acontece dia 15 de Maio (Sexta-Feira) pelas 18 horas e vai contar com a participação de Márcia Santana Fernandes (investigadora na área do direito de propriedade intelectual); Cristina Caldeira, (professora da UE e investigadora na área de propriedade intelectual) e Alexandre Sousa Pinheiro (jurista e professor da UE).

PCGuia
Recomendadas

Microsoft alerta utilizadores para esquema de fraudes via email

Os piratas informáticos fazem-se passar por docentes do Centro de Segurança em Saúde da Universidade Johns Hopkins (Estados Unidos), aliciando os utilizadores a clicarem num ficheiro de Excel falso.

Opensoft quer faturar 15% nos PALOP no final deste ano

José Vilarinho, CEO Opensoft, revela ao Jornal Económico que a tecnológica está a apostar nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa onde conta fazer uma fatia interessante do negócio já em 2020.

PremiumKevin Mayer: TikTok é a nova rede do executivo que não recebeu a recompensa devida pela Disney

Novo líder da aplicação chinesa de vídeos curtos que saiu a ganhar da pandemia de Covid-19, o norte-americano virou costas a Mickey. Alcançar 50 milhões de assinantes para a plataforma de streaming Disney+ não foi suficiente para chegar ao topo da montanha que o rato pariu.
Comentários