UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

O défice orçamental atingiu 0,8% do PIB no primeiro semestre devido à recapitalização do Novo Banco, mas o valor não coloca em causa a meta definida pelo Governo para o conjunto do ano, de 0,2%, estima a UTAO.

“A estimativa para o saldo orçamental do 1.º semestre de 2019, realizada pela UTAO [Unidade Técnica de Apoio Orçamental] em contabilidade nacional, aponta para um valor central de -0,8% do PIB”, lê-se no relatório sobre a evolução orçamental de janeiro a julho de 2019, a que a Lusa teve acesso.

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

A estimativa da UTAO de um saldo orçamental negativo de 0,8% para a primeira metade do ano “encontra-se, em grande medida, influenciada pela recapitalização do Novo Banco, dado o elevado peso desta operação, particularmente quando expresso em percentagem do PIB semestral”, explica a UTAO.

Excluindo o impacto do Novo Banco, a UTAO estima um excedente “em cerca de 0,3% do PIB”, sendo que este valor “está em linha com o objetivo anual do Governo excluindo o impacto de medidas temporárias e/ou não-recorrentes, revisto no PE/2019-23 [Plano de Estabilidade] para 0,4% do PIB face aos 0,1% do PIB considerados inicialmente no OE/2019”.

Relacionadas

Queda do BES: o desmoronamento que atravessou e condicionou três Governos

Há precisamente cinco anos, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, anunciava a resolução do BES. O caso do banco que sempre se deu bem “com todos os partidos”, marcou três Governos de cores diferentes e veio expor a forma como o poder político e o setor financeiro caminham muitas vezes de mão dada.

Resolução do BES foi há 5 anos e custou ao Estado mais de 5 mil milhões

A medida de resolução criaou duas entidades: o ‘BES mau’, que deixou de poder operar, onde ficavam os ativos e passivos considerados ‘tóxicos’, e o Novo Banco, que ficou com os depósitos do BES e com os ativos considerados de qualidade, capitalizado pelo Fundo de Resolução com 4,9 mil milhões de euros.
Recomendadas

Endividamento das empresas agravou 400 milhões de euros em agosto por causa do sector público

Dos 724 mil milhões de euros de dívida registada em agosto, 319,8 mil milhões de euros têm no setor público e 404,2 mil milhões de euros no setor privado, de acordo com uma nota de informação estatística do Banco de Portugal.
BCP

Sonangol não quer sair do BCP

Miguel Maya e Nuno Amado estiveram em Luanda na semana passada reunidos com Gaspar Martins, presidente do conselho de administração da Sonangol. A petrolífera estatal angolana reafirmou o interesse em permanecer como acionista de referência do banco.

PremiumCGD vende filial em Espanha acima do valor de mercado

A Caixa vendeu o Banco Caixa Geral ao Abanca com um múltiplo acima da média do mercado. O Price-to-Book Value inerente à transação foi de 0,74x acima da média na Ibéria que é de 0,57x.
Comentários