“Vai ser uma grande greve”: Frente Comum antecipa paralisação de sexta-feira

A coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública disse hoje à agência Lusa que todos os indicadores apontam para uma “grande adesão à greve” de sexta-feira.

“Já houve centenas ou milhares de plenários em vários locais e o que verificámos foi que as pessoas estão muito revoltadas e que o estado de espírito para a greve é muito bom”, afirmou Ana Avoila.

Apesar de ainda estarem a decorrer os preparativos para a paralisação nacional da função pública, a sindicalista adiantou que “neste momento já é possível afirmar que vai ser uma grande greve”.

Segundo Ana Avoila, os serviços públicos mais afetados pela greve nacional na sexta-feira serão, como é habitual, os da Saúde, da Educação e os da Segurança Social.

Contudo, a paralisação irá contar ainda com a adesão de setores que normalmente não estão na linha da frente das greves, como é o caso dos trabalhadores das Finanças, tribunais e registo e notariado, acrescentou a dirigente da Frente Comum.

Ana Avoila disse que “praticamente todos os sindicatos filiados na Frente Comum, de todos os setores, vão aderir” e lembrou que também o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) já apelou à participação dos médicos na paralisação.

Em causa está a falta de respostas às reivindicações da Frente Comum, como o aumento dos salários na função pública, o descongelamento “imediato” das progressões na carreira e as 35 horas semanais para todos os trabalhadores.

Esta é a segunda greve nacional dos trabalhadores da administração pública com o atual Governo e a primeira convocada pela Frente Comum de Sindicatos, segundo a listagem cedida pela estrutura sindical.

A primeira greve com o Executivo de António Costa ocorreu em 29 de janeiro de 2016 e foi convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos da Administração Pública. Em causa estava a reposição das 35 horas semanais de trabalho.

Ler mais
Recomendadas

Novo aeroporto do Montijo: Câmara da Moita dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental

“O município da Moita fundamenta a sua oposição ao projeto num conjunto de impactes negativos no território, no ambiente, na saúde, na segurança pública e nos valores culturais e patrimoniais existentes”, afirmou a autarquia.

Uma caixa de preservativos custa 153 euros na Venezuela. Saúde pública está em causa

A crise económica e política que se sente no país de Maduro levou a uma escassez geral de produtos e, em circunstâncias favoráveis, alguns destes bens nunca se considerariam preciosos, como medicamentos, géneros alimentares e contracepção.

Qual o truque por trás da fortuna de 87,4 mil milhões de euros de Bill Gates?

Apesar de ter descido uma posição na lista dos multimilionários, a fortuna de Gates aumenta a cada minuto e o co-fundador da Microsoft permanece em modo de criação de riqueza.
Comentários