Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Cristina Bernardo

Em julho de 2019, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 11.048,4 milhões de euros, menos 25,7 milhões de euros (0,2%) do que no mês anterior, avança a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Já o montante investido nos fundos de investimento imobiliário desceu 0,04% para 7.962,4 milhões de euros. Ao passo que nos FEII, o valor recuou 0,44% para 2.662,9 milhões de euros e nos FUNGEPI ​caiu 2,5% para 423,1 milhões de euros.

No período em análise, os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 42,4% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços.

Os investimentos realizados pelos FUNGEPI destinaram-se sobretudo ao setor do comércio (53,2% do total).

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

No mês passado, foi liquidado o fundo de investimento imobiliário “Imovalor – Fundo de Investimento Imobiliário Fechado”, gerido pela GNB – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, do Grupo Novo Banco.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Portugal confirma que “considera todos os factos novos” na idoneidade dos acionistas do EuroBic

Em função da avaliação da informação recebida, “o Banco de Portugal retirará as devidas consequências, nomeadamente em matéria prudencial e contraordenacional”, diz o supervisor em comunicado referindo-se à investigação ao cumprimento dos deveres a que o EuroBic está sujeito em matéria de prevenção do branqueamento de capitais.

EuroBic corta relações comerciais com empresas controladas por Isabel dos Santos

O conselho de administração do Eurobic deliberou esta segunda-feira cortar as relações comerciais com as empresas controladas por Isabel dos Santos e anunciou que vai remeter para o Banco de Portugal o processo relativo aos pagamentos da Sonangol à Matter, empresa de Isabel dos Santos com sede no Dubai.

Banco de Portugal equaciona reavaliação da idoneidade de Isabel dos Santos

O supervisor bancário, se concluir pela retirada da idoneidade a Isabel dos Santos, o instrumento legal que possui é a inibição dos direitos de voto, revelou fonte ao Jornal Económico.
Comentários