Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Cristina Bernardo

Em julho de 2019, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 11.048,4 milhões de euros, menos 25,7 milhões de euros (0,2%) do que no mês anterior, avança a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Já o montante investido nos fundos de investimento imobiliário desceu 0,04% para 7.962,4 milhões de euros. Ao passo que nos FEII, o valor recuou 0,44% para 2.662,9 milhões de euros e nos FUNGEPI ​caiu 2,5% para 423,1 milhões de euros.

No período em análise, os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 42,4% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços.

Os investimentos realizados pelos FUNGEPI destinaram-se sobretudo ao setor do comércio (53,2% do total).

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

No mês passado, foi liquidado o fundo de investimento imobiliário “Imovalor – Fundo de Investimento Imobiliário Fechado”, gerido pela GNB – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, do Grupo Novo Banco.

Ler mais
Recomendadas

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Sindicatos reúnem dia 27 com Comissão Executiva do BCP para discutir revisão salarial de 2019

Concluídas as negociações de 2018, o SNQTB, SBN e SIB garantem que a negociação para 2019 continua, com a exigência de 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias, contra a proposta de 0,6% do banco.

Santander lidera ranking da sustentabilidade do Dow Jones Sustainability Index

Este índice, de referência de âmbito internacional, coloca pela primeira vez o Santander no topo a nível global e líder na Europa pelo segundo ano consecutivo, depois de avaliar o comportamento sustentável do grupo nas dimensões económica, ambiental e social.
Comentários