Vanguard Properties investe 80 milhões de euros para construir um dos edifícios mais altos de Lisboa

O edifício Infinity será um dos maiores da capital portuguesa e vai começar a ser construído em outubro. O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide e terá 26 pisos.

A Vanguard Properties, um grupo português de investimento imobiliário liderado por um Family Office (estrutura que oferece assessoria a famílias com património considerável), irá investir 80 milhões de euros na construção da Infinity, aquele que será um dos edifícios mais altos da cidade de Lisboa.

O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide. Com 80 metros de altura, 26 pisos acima do solo e composto por 195 apartamentos com tipologias de T0 e T5 Duplex, ocupará uma área de construção de 50,000 m2. O arranque das obras está marcado para outubro de 2018 e a conclusão em outubro de 2020.

José Cardoso Botelho, managing director da Vanguard Properties, diz que “este projeto será um marco na paisagem de Lisboa devido à dimensão, localização, e linhas arquitetónicas. A maioria dos pisos terá uma vista sobre o Aqueduto, Monsanto e o Tejo”.

Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários