Vanguard Properties investe 80 milhões de euros para construir um dos edifícios mais altos de Lisboa

O edifício Infinity será um dos maiores da capital portuguesa e vai começar a ser construído em outubro. O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide e terá 26 pisos.

A Vanguard Properties, um grupo português de investimento imobiliário liderado por um Family Office (estrutura que oferece assessoria a famílias com património considerável), irá investir 80 milhões de euros na construção da Infinity, aquele que será um dos edifícios mais altos da cidade de Lisboa.

O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide. Com 80 metros de altura, 26 pisos acima do solo e composto por 195 apartamentos com tipologias de T0 e T5 Duplex, ocupará uma área de construção de 50,000 m2. O arranque das obras está marcado para outubro de 2018 e a conclusão em outubro de 2020.

José Cardoso Botelho, managing director da Vanguard Properties, diz que “este projeto será um marco na paisagem de Lisboa devido à dimensão, localização, e linhas arquitetónicas. A maioria dos pisos terá uma vista sobre o Aqueduto, Monsanto e o Tejo”.

Recomendadas

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).
Comentários