Vanguard Properties investe 80 milhões de euros para construir um dos edifícios mais altos de Lisboa

O edifício Infinity será um dos maiores da capital portuguesa e vai começar a ser construído em outubro. O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide e terá 26 pisos.

A Vanguard Properties, um grupo português de investimento imobiliário liderado por um Family Office (estrutura que oferece assessoria a famílias com património considerável), irá investir 80 milhões de euros na construção da Infinity, aquele que será um dos edifícios mais altos da cidade de Lisboa.

O novo empreendimento ficará localizado na zona de Campolide. Com 80 metros de altura, 26 pisos acima do solo e composto por 195 apartamentos com tipologias de T0 e T5 Duplex, ocupará uma área de construção de 50,000 m2. O arranque das obras está marcado para outubro de 2018 e a conclusão em outubro de 2020.

José Cardoso Botelho, managing director da Vanguard Properties, diz que “este projeto será um marco na paisagem de Lisboa devido à dimensão, localização, e linhas arquitetónicas. A maioria dos pisos terá uma vista sobre o Aqueduto, Monsanto e o Tejo”.

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários