Vanguard Properties lança perfume ambiente criado por Lourenço Lucena

Com “Vanguard Eau de Parfum Pour Ambiances Exclusives”, nome do perfume, Lourenço Lucena pretendeu criar a “identidade olfativa” da Vanguard Properties, que tem projetos na cidade e no campo, em Lisboa, na Comporta e no Algarve. “Na base estão três perfumes” que evocam “a cidade, a praia e o campo”, disse Lourenço Lucena.

A partir de agora, todos espaços físicos com selo da Vanguard Properties terão um aroma exclusivo. A Vanguard Properties, promotora imobiliária de José Cardoso Botelho e de Claude Berda apresentou esta quarta-feira um perfume da autoria do compositor de perfumes Lourenço Lucena, o único português que é membro da prestigiado Société Française de Parfums, que foi desafiado por Ana Magalhães, sales manager da Vanguard Properties.

Com “Vanguard Eau de Parfum Pour Ambiances Exclusives”, nome do perfume, Lourenço Lucena pretendeu criar a “identidade olfativa” da Vanguard Properties, que tem projetos na cidade e no campo, em Lisboa, na Comporta e no Algarve. “Na base estão três perfumes” que evocam “a cidade, a praia e o campo”, disse Lourenço Lucena, na sessão de apresentação do perfume, que se realizou esta quarta-feira, nos escritórios em Lisboa da empresa.

“Foi o perfume mais difícil que tive ao longo dos meus 13 de carreiras”, frisou Lourenço Lucena. “Estamos a comunicar uma marca, mas que será usada por muita gente”, adiantou.

O perfume é eau de parfum idealizado para os espaços da Vanguard Properties, por exemplo, nos edifícios Castilho 203, Infinity ou A’Tower, em Lisboa. “O perfume vai estar em todos os edifícios, nos escritórios da Vanguard, stand de vendas e onde exste a fisicalidade da empresa”, disse Ana Magalhães.

Inicialmente, o “Vanguard Eau de Parfum Pour Ambiances Exclusives” foi idealizado para ser exclusivo para a empresa e clientes, mas vai ser vendido ao público em bouteilles (garrafas) de 50 ml entre 100 a 120 euros, disse Lourenço Lucena, ao Jornal Económico. “Estará disponível numa perfumaria de nicho em Lisboa”, explicou o compositor de perfumes.

Além disso, a Vanguard Properties apresentou ainda uma melodia única que pretende ser “a identidade sonora da marca”. “A Vanguard Properties foi idealizada em finais de 2016 e foi apresentada ao mercado, pela primeira vez, a 13 de março de 2017. Desde então, tivemos sempre muita preocupação com a imagem da marca, com a forma como comunicamos”, disse José Cardoso Botelho. “E, desde o primeiro dia, foi muito importante criar uma marca que fosse conhecida, não apenas pelo setor onde estamos, mas também pelo público em geral”, adiantou o diretor-geral da Vanguard Properties.

A melodia, batizada de “Vanguard Unique Melody”, foi criada pelo grupo intitulado “The Sensorialists”, de que Lourenço Lucena faz parte, e foi desenvolvida em parceria com a BLUG. O objetivo era criar uma melodia inspirada pelos os sons e os ruídos típicos da atividade da Vanguard Properties.

A “Vanguard Unique Melody” poderá ser ouvida, por exemplo, nas linhas telefónicas na Vanguard ou em espaços da empresa. Mas será o primeiro projeto melódico de muitos mais, uma vez que estão previstas mais melodias para cada projeto imobiliário da empresa, “porque cada projeto é único e tem uma história”, frisou Lourenço Lucena.

Ler mais
Relacionadas

Comporta: Vanguard Properties vai construir 400 casas para os trabalhadores

“Fala-se muito da Comporta e da criação de emprego mas, por vezes, as pessoas que vão para lá trabalhar, são esquecidas”, disse José Cardoso Botelho, diretor-geral da Vanguard Properties. “Estamos a comprar ativamente terrenos em Grândola e em Alcácer do Sal para construir casas para as pessoas que vão trabalhar naquelas terras e é um projeto com 400 casas”, explicou.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários