PremiumVanguard vai investir 1,5 mil milhões na ‘nova Comporta’

Em setembro começa a ganhar vida o projeto de longo-prazo que a Vanguard tem para a ‘nova Comporta’. Cobre centenas de hectares, custará pelo menos 1,5 mil milhões e terá uma associação para promover o equilíbrio ecológico da região, liderada por Guta Moura Guedes. A Amorim Luxury ‘herdou’ o antigo Hotel Aman, que será o próximo JNCQUOI Comporta. Mas, por enquanto, está tudo nas mãos do juiz Carlos Alexandre.

O projeto de 1,5 mil milhões de euros que a Vanguard Properties tem para a ‘nova Comporta’, pensado para o longo-prazo, depende apenas da conclusão do processo de venda dos dois principais ativos que ainda pertencem ao Fundo da Herdade da Comporta, gerido pela Gesfimo. A chave está nas ‘mãos’ do juiz Carlos Alexandre, que tem de emitir um despacho favorável sobre o pedido de aprovação das servidões dos terrenos que estão arrestados pelo Ministério Público, instituição à qual o consórcio enviará “na próxima segunda-feira” o pedido de aprovação.

As servidões são um encargo que determinam benefícios de um terreno a favor de outro, como uma servidão de passagem de água, acessos ou energia. Só depois será assinada a escritura pública do contrato de compra e venda. José Cardoso Botelho, sócio de Claude Berda, estima que a assinatura ocorra entre maio e junho, após a qual o consórcio formado pela Vanguard e pela Amorim Luxury será oficialmente o novo dono do Comporta Links e do Comporta Dunes, as duas áreas de desenvolvimento turístico (ADT) que custarão cerca de 157,5 milhões de euros, dando início à nova Comporta. Deste valor, a Amorim Luxury pagará cerca de 19 milhões pela participação de 12% no consórcio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários