Veja aqui os números do “choque” que o Banco de Portugal prevê para a economia este ano

Recessão de até 5,7%, tombo de quase 20% nas exportações, subida da taxa de desemprego para 11,7%. O cenário mais adverso pintado para a economia portuguesa este ano pelo Banco de Portugal é assustador, mas o cenário base também não é animador. Veja aqui os números projetados pelo banco central.

Projeções do Banco de Portugal (taxa de variação anual, em percentagem):

Cenário base para 2020 (%)Cenário adverso para 2020 (%) Boletim anterior (%, para 2020)*Valor registado em 2019 (%)
Produto Interno Bruto-3,7-5,71,72,2
Consumo privado-2.8-4,82,12,3
Consumo público2,13,00,80,8
FBCF**-10,8-14,95,46,4
Procura interna-3,6-5,52,62,8
Exportações-12,1-19,12,63,7
Importações-11,9-18,74,65,2
Emprego-3,5-5,20,80,8
Taxa de desemprego10,111,75,96,5

Fonte: Boletim Económico do Banco de Portugal, publicado a 26 de março de 2020

*Projeções no Boletim Económico de Dezembro

**FBCF: Formação Bruta de Capital Fixo

Relacionadas

Banco de Portugal prevê recessão de 5,7% em 2020 no cenário mais adverso

A incerteza devido ao Covid-19 é tão complexa que o banco central não pôde apresentar um único cenário mais provável, mas um de base com uma recessão de 3,7% e outro mais adverso com um tombo de 5,7% no PIB este ano. Alertou ainda que “atendendo às condições de partida e à incerteza que envolve a crise em curso, não podem ser excluídos cenários ainda mais adversos”.
Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários