Vendas de automóveis na China recuam em janeiro pelo oitavo mês consecutivo

As vendas de automóveis na China caíram pelo oitavo mês consecutivo, em janeiro passado, ilustrando a tendência de desaceleração na economia chinesa, agravada pelo espoletar de disputas comerciais com os Estados Unidos.

As vendas de automóveis na China caíram pelo oitavo mês consecutivo, em janeiro passado, ilustrando a tendência de desaceleração na economia chinesa, agravada pelo espoletar de disputas comerciais com os Estados Unidos.

Segundo a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, as vendas registaram uma queda homóloga de 15,8%, em relação ao ano anterior, para 2,4 milhões de veículos. O abrandamento do maior mercado automóvel do mundo é um retrocesso para as principais construtoras do setor, que anunciaram planos de milhares de milhões de euros, visando cumprir com as metas do Governo chinês para o desenvolvimento de veículos elétricos.

Em 2018, as vendas de automóveis na China caíram 5,8%, para 22,35 milhões de veículos, no primeiro declínio anual desde 1990, coincidindo com outros indicadores negativos da economia chinesa.

Em janeiro, as marcas chinesas foram as mais penalizadas: as vendas caíram 22%, para 832.000 veículos, resultando numa redução da quota no mercado de 2,4%, para 41,2%. As compras de veículos elétricos e híbridos, que Pequim tem incentivado com subsídios, aumentaram 138%, em relação ao ano anterior, para 96.000 unidades. Mas as vendas de SUVs diminuíram 19%, para 878.900 unidades.

A construtora alemã Volkswagen AG informou que as vendas caíram 2,9 por cento, para 387,3 mil unidades. A BMW AG informou que as vendas de veículos da marca BMW e MINI subiram 15,5 por cento, para 63.135.

A japonesa Nissan Motor Co. registou uma queda das vendas de 0,8%, para 133.934 unidades. A economia da China, a segunda maior do mundo, cresceu 6,6%, em 2018, ou seja, ao ritmo mais lento dos últimos 28 anos.

A acarrstividade económica permaneceu robusta durante a maior parte do ano, apesar de a guerra comercial que espoletou, no verão passado, com Washington, e suscitada pelas ambições chinesas para o setor tecnológico.

No entanto, as exportações caíram em dezembro, refletindo os efeitos da entrada em vigor de uma segunda ronda de taxas alfandegárias nos Estados Unidos, sobre cerca de 200.000 milhões de dólares de bens oriundos da China.

Ler mais

Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários