Vendas de automóveis registam quebra de 1,3% em novembro

Em Novembro de 2019 foram matriculados em Portugal 19.533 veículos automóveis. Já entre janeiro e novembro a queda homóloga foi de 2,9%, tendo sido registados 245.130 novos veículos.

As vendas de automóveis registaram uma quebra de 1,3% em novembro face ao mês de outubro, de acordo com os dados publicados pela associação automóvel de Portugal (ACAP) esta segunda-feira, 1 de dezembro.

No mês em análise foram matriculados em Portugal 19.533 veículos automóveis. Já entre janeiro e novembro a queda homóloga foi de 2,9%, tendo sido registados 245.130 novos veículos.

Automóveis Ligeiros de Passageiros
No mês de novembro de 2019 foram matriculados em Portugal 16.400 automóveis ligeiros de passageiros novos, ou seja, mais 5,8 por cento do que no mês homólogo do ano anterior. Nos onze meses de 2019 as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 206.073 unidades, o que se traduziu numa variação negativa de 2,9 por cento relativamente a período homólogo de 2018.

Veículos Ligeiros de Mercadorias
O mercado de ligeiros de mercadorias registou-se, no décimo primeiro mês de 2019, uma evolução igualmente desfavorável, tendo decrescido 24,8 por cento face ao mês homólogo do ano anterior, situando-se em 2.842 unidades matriculadas. Em termos acumulados o mercado atingiu 33.915 unidades, o que representou um decréscimo de 3,8 por cento face ao período homólogo do ano anterior.

Veículos Pesados
Quanto ao mercado de veículos pesados, o qual engloba os tipos de passageiros e de mercadorias, em novembro de 2019 verificou-se uma queda de 43,3 por cento em relação ao mês homólogo do ano anterior, tendo sido comercializados 291 veículos desta categoria. No acumulado do ano de 2019 as matrículas totalizaram 5.142 unidades, o que representou uma queda do mercado de 0,9 por cento relativamente ao período homólogo de 2018.

Recomendadas

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

“Confrontados com o grave ataque público à integridade profissional da jornalista Maria Flor Pedroso, os jornalistas abaixo-assinados não podem deixar de tomar posição em sua defesa”, referem os 55 jornalistas que subscrevem o documento.

PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

Equipa da RTP retida e questionada na fronteira no regresso de Hong Kong

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.
Comentários