Vendas nacionais de carros elétricos em 2020. Tesla e Nissan com quebras acima de 28%. Renault sobe 28%

Tesla e Renault lideraram as vendas do mercado nacional em 2020. Mas enquanto a marca francesa disparou nas vendas, a norte-americana recuou. O mercado de carros elétricos cresceu em 2020, enquanto o mercado nacional global caiu 34%.

As vendas de automóveis ligeiros de passageiros 100% elétricos subiram 13,8% para 7.830 unidades em 2020 face a 2019. Esta subida contrasta com as vendas totais de automóveis no mercado nacional que recuaram 33,9% para 176.992 veículos em 2020.

Apesar de quatro meses com as vendas em queda devido à pandemia (entre abril e julho), as vendas nos meses restantes de 2020 permitiram ultrapassar os números de 2019. Os dados foram divulgados hoje pela Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE).

Olhando para as marcas mais vendidas em termos de ligeiros de passageiros 100% elétricos, a Tesla sofreu uma queda de 28,6% nas vendas em 2020, enquanto a Nissan recuou 30,7%. Já a Renault disparou 28,5% no ano passado face a 2019.

Duas marcas lideraram o mercado nacional em 2020. A norte-americana Tesla lidera no ranking de automóveis ligeiros de passageiros 100% elétricos com 1.413 unidades vendidas em 2020. Segue-se a Renault com 1.244 unidades e a Nissan com 1.175. A Peugeot (761) e a Hyundai (554) fecham o top 5 de vendas.

Mas o líder muda quando se juntam as vendas de ligeiros de mercadorias às de ligeiros de passageiros, com a francesa Renault a liderar este ranking com um total de 1.415 unidades. Segue-se a Tesla com 1.413 unidades e a Nissan com 1.218 unidades. A Peugeot (770) e a Hyundai (554) fecham este top 5 das vendas totais do mercado elétrico.

A Tesla também liderou o mercado em 2019, seguida da Nissan e da Renault. A BMW (586) e a Jaguar (540) completam o top 5 de vendas registadas em 2019.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários