Ventura dramatiza e diz que Chega lutará até “na clandestinidade”

Esta é a resposta de André Ventura ao socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, que na sexta-feira colocou a hipótese de o Chega vir a ser ilegalizado. O líder do Chega diz que se trata de uma “afronta nunca vista em democracia, própria das ditaduras, de um presidente de Câmara com tiques ditatoriais, quando se pretende remeter à obscuridade aquela que é, segundo as sondagens, a terceira ou quarta força política portuguesa”.

Nuno Veiga / Lusa

O líder do Chega, André Ventura, dramatizou hoje o seu discurso em resposta ao socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, que na sexta-feira colocou a hipótese de o Chega vir a ser ilegalizado.

“É uma afronta nunca vista em democracia, própria das ditaduras, de um presidente de Câmara com tiques ditatoriais, quando se pretende remeter à obscuridade aquela que é, segundo as sondagens, a terceira ou quarta força política portuguesa”, disse, em declarações à agência Lusa.

Segundo o deputado único do partido nacional-populista, “se o Chega for ilegalizado, os seus apoiantes, militantes e dirigentes não desaparecerão por magia e continuarão a fazer a sua luta na clandestinidade, contra um sistema que esqueceu o que era a democracia”.

“O sistema tem de saber isto: não deixaremos de lutar mesmo que usem as armas mais baixas contra nós. Ilegalizar o Chega é remeter milhares de pessoas para a luta de clandestinidade… E nós estamos dispostos a isso!”, prometeu.

Ventura vincou que “querem ilegalizar o Chega para vencer na secretaria o que não conseguem nas urnas”.

Fernando Medina, em entrevista ao Observador, acusou o PSD de contribuir para a normalização do Chega, referindo-se ao acordo de viabilização do Governo Regional dos Açores e afirmou: “admito que a questão da ilegalização do Chega venha a colocar-se”.

Para o autarca lisboeta, o partido da extrema-direita parlamentar devia ser considerado ilegal porque é “xenófobo, racista e intolerante”.

“Não passarão. No Chega, lutaremos até ao fim. Até perceberem que viemos por bem e estamos dispostos a sacrificar a vida por Portugal. Ilegalizar o Chega? Terão 30 anos de luta clandestina e muito dura!”, garantiu Ventura.

O também candidato presidencial do Chega lamentou ainda que a sua concorrente ao Palácio de Belém Ana Gomes, diplomata e ex-eurodeputada socialista, também tenha defendido a ilegalização do seu partido.

A antiga embaixadora de Portugal em Jacarta considerou “ridícula” a coima aplicada a “um deputado” que teve “mais uma vez tiradas absolutamente contrárias à democracia”, aludindo à multa de que Ventura foi notificado esta semana pela Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR), devido a uma mensagem numa rede social sobre a comunidade cigana.

Na ótica de Ana Gomes os responsáveis das instituições democráticas “não podem contemporizar com estratégias complacentes em relação a forças racistas e xenófobas que estão proibidas pela Constituição” e apontou o dedo a Ministério Público e Tribunal Constitucional.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

Governo dos Açores recusa demissão de diretor regional do anterior executivo

Numa missiva a que agência Lusa teve acesso, datada de 24 de novembro, Tiago Lopes solicitou a cessação de funções de diretor regional da Saúde e, por inerência, da Autoridade de Saúde Regional, cargos que ocupou durante o governo socialista.

PCP vai abster-se na votação final global do OE2021

Depois de ter contribuído para a viabilização no OE2021 na generalidade, através da abstenção, o PCP faz uma avaliação positiva das negociações na especialidade e do “conjunto alargado de propostas” comunistas que foram inscritas no texto final.
Comentários