Ventura espera um milhão de votos nas legislativas e diz que vai “atrás” de Costa

O presidente do Chega afirmou hoje que espera que o partido alcance um milhão de votos nas eleições legislativas e se torne o “principal partido” da oposição e avisou o primeiro-ministro, António Costa, de que vai “atrás” dele.

O Chega organizou hoje numa manifestação em Lisboa contra ameaças da sua ilegalização, tendo André Ventura salientado que o partido não tem medo e que “só o povo” pode fazê-lo.

O protesto saiu do Príncipe Real pelas 16:30, tendo parado poucos minutos depois em frente ao Tribunal Constitucional.

Os manifestantes tinham bandeiras do partido e de Portugal e entoaram o hino nacional várias vezes, uma das quais em frente ao ‘Palácio Ratton’.

“Sabemos que estão todos contra nós”, afirmou André Ventura em frente ao órgão que oficializou a constituição do Chega, indicando que a voz dos militantes do seu partido “não é possível de ser abafada”.

As cerca de duas mil pessoas, segundo estimativas da PSP no local, encheram depois a praça do Rossio, onde terminou a iniciativa. Em frente ao Teatro Nacional D. Maria II, estava montado um palco para André Ventura discursar.

“Podem querer calar-nos, podem querer ilegalizar-nos, mas a nossa força, a nossa resistência será feita aqui nas ruas de Portugal porque Portugal é nosso e é por ele que vamos continuar a lutar”, afirmou o presidente do Chega, recusando ficar em silêncio “perante a ameaça mais grave à democracia em décadas, a ameaça de extinguir um partido político”.

André Ventura criticou que Portugal é “um país que tinha tudo para dar certo mas que, em vez de se preocupar” com pensionistas, trabalhadores com baixos salários, as forças de segurança ou a emigração de jovens “preocupa-se é em salvar corruptos e a ilegalizar o único partido que lhe faz frente”.

“Já não é uma democracia, é uma ditadura que vamos combater com toda a nossa força”, acrescentou.

Salientando o crescimento do partido, André Ventura considerou que o Chega é “a terceira força política em Portugal” e disse que irá mandar o BE “para o sítio de onde sempre deverá estar”, que “é fora do parlamento”.

Falando depois sobre as próximas eleições legislativas, o deputado afirmou também que espera que os quase 500 mil votos que conseguiu enquanto candidato presidencial dupliquem.

“Para sermos o principal partido da oposição em Portugal. António Costa nós vamos atrás de ti”, salientou, argumentando que “a força” que o partido ganhou “já não pode ser quebrada”.

André Ventura garantiu ainda que o Chega não vai desaparecer e continuará “a lutar”.

Referindo-se à concentração que juntou cerca de uma centena de pessoas na Praça do Martim Moniz para protestar contra a corrupção e o fascismo, visando sobretudo partidos de extrema-direita, a poucos metros do local onde discursou, André Ventura apelidou esses manifestantes de “pobres coitados”, sugerindo que “devem ter sido mandados para ali pelo BE e pelo PS”.

Ao longo do percurso do protesto, que foi acompanhado por um forte dispositivo policial, algumas pessoas que se cruzaram com os manifestantes quiseram mostrar o seu descontentamento, tendo sido afastadas pela polícia.

Além dos habituais cartazes e tarjas, uma delas com a fotografia o antigo primeiro-ministro José Sócrates, havia também um caixão de cartão com as palavras “democracia” e “justiça” escritas.

O líder do Chega, que fez grande parte do percurso sem máscara colocada e não negou abraços a quem lhos pediu, seguiu sempre na frente da manifestação, gritando as palavras de ordem que eram depois repetidas por quem seguir atrás, tendo repetido por várias vezes que esta foi “a maior manifestação de sempre” em Lisboa.

“Portugal lutar, só o povo nos pode ilegalizar”, “com o Chega a Governar, a justiça vai funcionar”, “liberdade sim, ilegalização não”, “pela democracia, contra a tirania” ou “André Ventura contra a ditadura” foram algumas das palavras que os manifestantes foram entoando pelas ruas da baixa lisboeta.

Apesar dos apelos para que fosse respeitada a distância de segurança imposta pela pandemia de covid-19, isso não se verificou na iniciativa.

Ler mais
Relacionadas

António Costa anuncia 183 mil vacinas neste fim-de-semana

Primeiro-ministro fala em “grande sucesso” e deixa parabéns aos profissionais de saúde, aos autarcas e ao coordenador da ‘task force’ para a vacinação, vice-almirante Gouveia e Melo.
Recomendadas

Deputados aprovam orçamento suplementar da Assembleia da República

No plano da receita, é integrada uma verba de 9,9 milhões de euros, relativa à rubrica “saldo da gerência anterior/saldo orçamental”.

Concelhos em alerta. Só Cabeceiras de Basto dá o passo atrás no desconfinamento

O cordão sanitário manter-se-á nas duas freguesias de Odemira. Ainda assim, a ministra Mariana Vieira da Silva diz que a redução da incidência do vírus “é um sinal de uma pandemia que se encontra controlada, pese embora a existência de surtos”.

Luís Osório: “António Costa é um político à antiga. Poderia discutir política com Soares, Cunhal ou Sá Carneiro”

“Ficheiros Secretos – Histórias Nunca Contadas da Política e da Sociedade Portuguesas” é o novo livro de Luís Osório, que se propõe a contar histórias até agora desconhecidas de protagonistas como Mário Soares, Álvaro Cunhal, Cavaco Silva, entre outros. Saiba mais nesta Fast Talk da JE TV com o jornalista e escritor.
Comentários