Vestuário português: Espanha está a comprar menos mas há mercados em crescimento

Espanha e Reino Unido apresentam as maiores quedas de exportações, enquanto Itália, Países Baixos e EUA compensam as perdas.

No final de 2018, as exportações de vestuário atingiram os 3,14 mil milhões de euros e mantiveram o ciclo de crescimento que dura há nove anos. Ainda que o mercado de vendas para Espanha esteja em queda, a diversificação dos mercados garantiu um resultado positivo para o sector do vestuário.

Ao longo do ano passado, as exportações portuguesas no setor de vestuário somou mais 1,4% comparativamente com o ano de 2017, o que proporcionou mais um ano de crescimento que se verifica desde 2010.

O mercado espanhol e o britânico registaram as maiores quebras, -4,5% e -6,1%, respetivamente, nas exportações. No entanto, o mercado italiano, holandês e norte-americano, +48,6%, +18,6% e +18,4%, por ordem, compensaram com um aumento.

César Augusto, presidente da direção da Associação Nacional das Indútrias de Vestuário e Confeção, destacou que o crescimento foi “resultado de um caminho árduo de diversificação de mercados que as empresas assumiram há alguns anos”. O presidente sublinha que apesar de se confirmar a queda de Espanha, “continua a ser o nosso principal mercado de exportação” mas que esta diminuição “foi compensada pela subida em outros mercados, nomeadamente Itália e EUA, que procuram artigos com maior valor acrescentado”.

A Áustria (-17,9%), a Alemanha (-3,6%) e a Bélgica (-2,0%) também são países que apresentam quebras. O Canadá (+116,0%) e Malta (105,8%) representam o maior aumento de exportações.

Recomendadas

Precisa de ajuda em casa? Há mais de 4 mil ‘taskers’ qualificados à distância de um clique

A empresa TaskRabbit, com sede nos Estados Unidos, lançou-se no mercado português, onde disponibiliza uma rede com prestadores de serviços que vão desde limpezas, entregas ou carregamento e montagem móveis.

CIP, APED e APCC pressionam Governo para aumentar rácio de clientes nas lojas para 10 pessoas por 100 metros quadrados

Estas três associações empresariais apoiam-se num estudo desenvolvido por equipas do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa, em colaboração com o Instituto Ricardo Jorge e a ARS – Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, que, no seu entender, deixa claro que a frequência de restaurantes, lojas e centros comerciais não parece estar associada a uma maior probabilidade de contrair o novo coronavírus”, citando uma afirmação do documento: “estar exposto a centros comerciais e a restauração é mais frequente entre aqueles que não desenvolveram a infeção”.

Premium‘Suspense’ sobre nova concessão e entrada do Estado deixam CTT sem destino certo

Negociação do OE2021 recolocou na agenda a entrada do Estado, numa altura em que a concessão do serviço postal chega ao fim e renovação não está garantida. Empresa está ‘refém’, alertam analistas.
Comentários