PremiumVice-presidente APPII: “É um erro pensar que esta medida favorece os inquilinos”

Vice-presidente da APPII assume que será “o descrédito do mercado de arrendamento” se a medida for para a frente. Mensagem que Portugal passa a quem queira investir nesta vertente é de que “não é bem vindo”.

A possibilidade de englobar obrigatoriamente os rendimentos prediais para efeitos de IRS veio agitar o setor imobiliário. Em declarações ao Jornal Económico, Hugo Santos Ferreira, vice-presidente da Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII), afirma que “é um erro pensar que esta medida favorece os inquilinos, é ao contrário”.

Por exemplo, “uma inquilina que viva num terceiro andar no centro histórico de Lisboa ou Porto e que estaria a aguardar que o seu proprietário se capitalizasse, para fazer obras no seu imóvel, e agora, é criada esta norma para aumentar a carga fiscal. Fica tudo na mesma”, refere Hugo Santos Ferreira.

No debate do programa do Governo realizado nos dias 29 e 30 de outubro, o primeiro-ministro, António Costa, mostrou intenção de avançar já com a medida no caso dos rendimentos prediais que beneficiam atualmente de uma taxa de 28%.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Área Metropolitana do Porto: 74% do capital investido em 2019 é proveniente do estrangeiro

Estudo da consultora imobiliária Cushman & Wakefield revela que desde 2015, foram transacionados 571 milhões de euros em imobiliário comercial, dos quais 151 milhões de euros se concretizaram entre janeiro e setembro de 2019.

Sonae Sierra assume gestão de centro comercial em Marrocos

Este centro comercial em Rabat, capital marroquina, deverá receber cerca de 10 milhões de visitantes por ano.

Moody’s: Preços das casas em Portugal vão subir 4% em 2020

Apesar da subida, esta variação representa um abrandamento face à subida de preços registada este ano. A agência de notação financeira norte-americana aponta que esta subida vai ter lugar num contexto de “uma robusta confiança do consumidor”, destacando também a descida do desemprego.
Comentários