PremiumVice-presidente APPII: “É um erro pensar que esta medida favorece os inquilinos”

Vice-presidente da APPII assume que será “o descrédito do mercado de arrendamento” se a medida for para a frente. Mensagem que Portugal passa a quem queira investir nesta vertente é de que “não é bem vindo”.

A possibilidade de englobar obrigatoriamente os rendimentos prediais para efeitos de IRS veio agitar o setor imobiliário. Em declarações ao Jornal Económico, Hugo Santos Ferreira, vice-presidente da Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII), afirma que “é um erro pensar que esta medida favorece os inquilinos, é ao contrário”.

Por exemplo, “uma inquilina que viva num terceiro andar no centro histórico de Lisboa ou Porto e que estaria a aguardar que o seu proprietário se capitalizasse, para fazer obras no seu imóvel, e agora, é criada esta norma para aumentar a carga fiscal. Fica tudo na mesma”, refere Hugo Santos Ferreira.

No debate do programa do Governo realizado nos dias 29 e 30 de outubro, o primeiro-ministro, António Costa, mostrou intenção de avançar já com a medida no caso dos rendimentos prediais que beneficiam atualmente de uma taxa de 28%.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Custos de construção na habitação nova registam aumento de 0,9% em maio

Este valor representa um crescimento de 0,6 pontos percentuais (p.p) face ao verificado no mês anterior. Já os custos da mão de obra aumentaram 1,4%, registando-se uma quebra de 0,4 p.p em relação ao mês de abril.

Câmara de Lisboa prevê arrendar 177 casas a proprietários privados no programa Renda Segura

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou hoje o arrendamento de 177 casas, a um valor médio de 723 euros, no âmbito do primeiro concurso do Renda Segura, que visa o subarrendamento pela autarquia no Programa de Renda Acessível.

Associação Lisbonense de Proprietários considera “irresponsáveis” declarações de Fernando Medina

Em comunicado, a entidade condena o artigo de opinião do presidente da Câmara de Lisboa, no qual revela que pretende acabar com os alojamentos locais. “Alojamento turístico de curta duração foi o motor da reabilitação urbana em Lisboa”, lembra a ALP.
Comentários