Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.

A Comissão Europeia realça que a aprovação do plano de recuperação europeu irá permitir que vários apoios cheguem às empresas portuguesas ainda este ano, mostrando sintonia com as preocupações da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, elencadas numa missiva enviada em abril a Ursula von der Leyen, presidente do executivo comunitário.

Na carta de resposta ao presidente da confederação patronal António Saraiva, a que o Jornal Económico teve acesso, o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, assinala partilhar da opinião e diz “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.

“Concordo ainda que alguns Estados-membros podem não ter capacidade suficiente para responder individualmente a esta crise”, pode ler-se no documento, datado de 3 de julho.

A CIP escreveu a Bruxelas a defender que o fundo de recuperação, que ainda não teve ‘luz verde’ do Conselho Europeu, deve ser construído “na forma de subvenções, na medida do possível, para não sobrecarregar o futuro dos países com níveis de endividamento já altos”.

“Também deve ser mobilizado com facilidade e rapidez, na proporção das dificuldades causadas pela crise e sem condicionalidades desnecessárias”, sustentou.

Valdis Dombrovskis sublinha, na resposta, que a maior parte do plano de recuperação é composto por subvenções. “Portugal e as empresas portuguesas irão beneficiar de subsídios adicionais substanciais, nomeadamente da política de coesão, do Fundo de Transição Justa e do componente de subvenção do Mecanismo de Recuperação e Resiliência”, refere.

Realça ainda que “desde que o pacote seja aprovado rapidamente vários instrumentos irão garantir o apoio imediato já em 2020”, nomeadamente o Instrumento de Apoio à Solvência, que permite apoiar empresas viáveis e o REACT-EU, que permite um apoio adicional através dos programas de coesão existentes para reagir aos desafios desencadeados por crises.

Ler mais

Recomendadas

Governo estabelece horários mais flexíveis para estabelecimentos comerciais em Lisboa

“Nos territórios que estão em contingência, neste momento a Área Metropolitana de Lisboa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pode, de acordo com parecer das forças de segurança e da autoridade local de saúde, fazer alterações nos horários dos estabelecimentos comerciais”, esclareceu a governante.

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.
Comentários