Viciado no telemóvel? Conheça seis passos para um ‘detox’ tecnológico

Vários estudos indicam que o excesso de tempo no mundo digital pode ter um impacto negativo na saúde mental e física, incluindo o sono e a interação social. Conheça seis passos, recomendados pela especialista Tanya Goodin, para um ‘detox’ tecnológico de sucesso.

Na era digital, estamos cada vez mais dependentes dos nossos smartphones. Embora estes gadgets possam facilitar o dia-a-dia, vários estudos indicam que o excesso de tempo ao telemóvel e nas redes sociais podem ter um impacto negativo na saúde mental e física, incluindo no sono e na interação social.

Se quer reduzir o tempo que passa online ou simplesmente fazer uma pausa, conheça alguns passos recomendados por Tanya Goodin, empresária e autora, para fazer um ‘detox’ de sucesso.

  • Identifique o que é tóxico

Tal como as dietas variam de pessoa para pessoa, o mesmo acontece com os desejos digitais. É importante considerar onde gasta muito tempo online: a ver o e-mail de trabalho ou a visitar o Facebook?

Deve tratar as aplicações onde passa mais tempo online como ‘comida de plástico digital’. Tal como numa dieta normal, comece por identificar as plataformas que mais consomem o seu tempo, de modo a que consiga evita-las durante o seu ‘detox’.

  • Fora do escritório, não

Atualmente, muitos postos de trabalho estão dependentes das tecnologias, o que facilita o acesso à informação, quer no escritório, quer em casa.

Apesar de ter aspetos positivos, pode prejudicar o seu tempo de lazer. Se passar o seu horário laboral em frente a um ecrã, tente não levar esse hábito para fora do escritório, quer seja em casa ou entre amigos.

  • Desligue as notificações 

Este passo pode parecer simples, mas requer alguma força de vontade.

As notificações são vistas como um lembrete para voltar a pegar no telemóvel, e numa batalha contra o digital, as notificações ganham sempre. Se apenas quiser reduzir o seu tempo online, considere desligar as notificações das redes sociais, ou até silenciar o seu telemóvel.

Se as desligar, o distanciamento destes aparelhos poderá ser mais fácil e eficaz.

  • Desinstale aplicações

Já se deu conta que muitas vezes está a navegar na internet, sem rumo? Noutras, até dá a desculpa de que o faz para ”passar o tempo”? Uma correção rápida é desinstalar essas aplicações.

Pode parecer um pouco extremo, mas se o fizer aos fim de semanas, ou até depois de sair do trabalho, a dependência diminuirá e poderá reduzir as horas de tempo gastas online com algo mais produtivo.

Uma alternativa é desativar à aplicação ou terminar a sessão das contas.

  • Não reduza apenas, substitua também 

Quando decide parar de fazer algo que gosta, cria-se um vazio.

Preencha o tempo com algum tipo de atividade e seja pro-ativo. Determine algo positivo, saudável e edificaz para substituir a vontade de pegar no telemóvel.

  • Agende o acesso online

Se se aperceber de que está a aceder as suas redes sociais ou contas de email continuamente, e que isso o está a impedir de concluir trabalhos ou tarefas, então agende as suas visitas ao mundo digital.

Um bom horário será uma agenda tripartida: de manhã ao pequeno almoço, durante a pausa da tarde e ao final do dia.

  • Zonas sem telemóveis

A dica final é baseada em espaços onde os telemóveis não são permitidos. Quer seja em casa, entre amigos ou durante as férias, restrinja as áreas onde o uso de telemóvel é permitido.

Ler mais
Recomendadas

Farto de chegar ao final do mês sem dados móveis? Siga estas dicas

Se costuma navegar, usar aplicações ou ver vídeos em 3G ou 4G, o dispositivo consome dados móveis. É uma solução prática na falta de uma ligação wi-fi, na estrada, no comboio ou em férias. E tudo se tornou mais interessante após a abolição do roaming na União Europeia. Mas a navegação móvel não é ilimitada, nem gratuita. Saiba como gerir os seus dados.

Greve na véspera de Natal e Ano Novo na MEO, NOS e Vodafone

Constantes alterações de horários, pausas contabilizadas ao segundo e ameaçadas com penalização e remuneração mensal, em regra, fixada no mínimo salarial são algumas das causas apontadas para a greve, segundo a CGTP-IN.

Whatsapp vai deixar de funcionar em alguns telemóveis. Saiba quais

O ano novo traz alterações tecnológicas: uma das aplicações mais utilizadas em todo o mundo vai deixar de poder ser utilizada nos telemóveis mais antigos.
Comentários