Vieira da Silva aguarda com tranquilidade pedidos de fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afirmou esta quarta-feira que vai aguardar com tranquilidade os eventuais pedidos de fiscalização da constitucionalidade das alterações à lei laboral, nomeadamente do alargamento do período experimental de 90 para 180 dias. O diploma que altera o Código do Trabalho foi promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República […]

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afirmou esta quarta-feira que vai aguardar com tranquilidade os eventuais pedidos de fiscalização da constitucionalidade das alterações à lei laboral, nomeadamente do alargamento do período experimental de 90 para 180 dias.

O diploma que altera o Código do Trabalho foi promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República e, no dia seguinte, PCP, Bloco de Esquerda e Verdes anunciaram que pretendem juntar-se para submeter algumas das novas normas à fiscalização sucessiva do Tribunal Constitucional.

Em declarações à Lusa, o ministro Vieira da Silva assegurou hoje que vai aguardar com “tranquilidade” este processo.

“A Assembleia da República aprovou uma lei, o Presidente da República promulgou-a, a normalidade do funcionamento das instituições funcionou e vai continuar. Se alguém pretende questionar a constitucionalidade das normas previstas, está no direito de o fazer. Espero com tranquilidade esse processo”, afirmou o governante.

Em causa está o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias quando se trata de jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração, com a CGTP e os partidos à esquerda do PS a consideraram que a norma viola o princípio da igualdade e que agrava ainda mais a precariedade destes dois grupos.

Em 2008, quando Vieira da Silva também estava à frente do Ministério do Trabalho, o Tribunal Constitucional chumbou o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias, sendo que, nessa altura, a medida abrangia todos os trabalhadores indiferenciados.

Na nota publicada na página oficial da Presidência da República quando foi promulgado o diploma, é referido que não se afigura “que a fundamentação do Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 632/2008, de 23 de dezembro, respeitante ao alargamento do período experimental para os trabalhadores indiferenciados, valha, nos mesmos exatos termos, para as duas situações ora mencionadas”.

Relacionadas

Lei laboral: Quais são as principais alterações em causa?

Acordo entre a direita e o PS viabilizou em julho as alterações ao Código do Trabalho. Turbulência no namoro da geringonça deriva principalmente da discordância quanto ao alargamento do período experimental. Saiba o que está em causa.

Governo também vai baixar duração máxima dos contratos a prazo no Estado para dois anos

“O Governo assume desde já o compromisso, como empregador, de emitir uma orientação a todos os serviços para respeitarem os tempos que estão previstos no Código do Trabalho”, disse o ministro do Trabalho.
Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários