Vieira Monteiro: “Não temos nada que pagar aos lesados do Banif”

O presidente do Santander Totta disse ainda que vão absorver o Banco Popular em Portugal.

Cristina Bernardo

António Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta respondeu peremtoriamente à pergunta dos jornalistas sobre se o banco estaria disponível para participar numa solução do Governo para ressarcir os lesados do Banif, que tinham obrigações subordinadas e perderam o investimento na Resolução do banco no fim de 2015. “Porque temos de pagar por aquilo que não fizemos?”, perguntou.

Insistindo que não é responsável pelos clientes lesados do Banif, admite que sempre esteve disponível para negociar, “mas os direitos e deveres do Santander Totta têm de ser atendidos”, explicou.

António Vieira Monteiro explicou que essa é a posição de partida para qualquer negociação por iniciativa do Governo para aplicar aos lesados do Banif o mesmo que aplicou aos lesados do BES. Vieira Monteiro lembrou, num claro recado para o Estado, que era o Estado que era acionista do Banif em 60% e foi o Estado, que através do Fundo de Resolução, ditou as perdas dos credores subordinados.

Vieira Monteiro disse ainda que na primeira proposta que fez para comprar o Banif tinha um preço para comprar tudo e isso incluía os obrigacionistas todos. Mas como acabou por comprar apenas ativos no âmbito do processo de resolução do Banif, e o Fundo de Resolução decidiu retirar as obrigações subordinadas e deixá-las no Banif para contribuirem para o equilíbrio entre ativos e passivos do banco, deixou de ser responsabilidade do Santander Totta.

Sobre a integração do Popular Portugal, o presidente do banco que herda o Popular por causa da operação de aquisição em Espanha, revelou que o banco aguarda as autorizações legais dos diversos reguladores e no fim do processo vai integrar o Banco Popular Portugal, que assim desaparece.

O Banco Santander Totta vai manter a marca, garantiu o CEO do banco.

O banco liderado por Vieira Monteiro diz também que não precisa de um aumento de capital para integrar o Popular Portugal, porque têm uma almofada de capital,  aparentemente a muesma que foi constituída para acautelar eventuais resultados da litigância sobre os swaps, em desfavor do banco, o que não veio a acontecer.

“A parte interessante do negócio é que o Popular é mais forte em PME que é um segmento em que o Santander Totta quer apostar”, disse fonte da administração à margem da conferência de imprensa.

[atualizada]

Relacionadas

Santander Totta com lucros de 229 milhões, mas com queda das receitas

A margem financeira caiu 8,3% para 338,4 milhões de euros e as comissões subiram 5% para 166,5 milhões. O produto bancário acabou por cair 10,8% devido à queda da margem e à menor venda de dívida pública portuguesa. A atividade core do banco esteve em queda no semestre.

Lesados Banif pedem reunião urgente à CMVM

Depois de afirmações de primeiro-ministro que lesados do Banif “fizeram confiança num sistema que os aldrabou”, associação de lesados quer levar documentos internos que comprovam práticas fraudulentas à CMVM, onde está pendente uma investigação exactamente sobre vendas fraudulentas.

Passos Coelho insiste: a responsabilidade pelos lesados do Banif é de António Costa

“Quem é que fez a resolução do Banif senão o governo chefiado por António Costa?”, perguntou o líder nacional do PSD, este domingo, no Chão da Lagoa.

Supremo decide a favor do Santander Totta em dois contratos de Swap

Em causa estão dois contratos de Swaps contratados entre o banco e duas empresas privadas, a Ropre e a Inovacil.

Santander Totta absorve negócio do Popular e sobe ao ‘Top 3’ em Portugal

O banco liderado por Vieira Monteiro passa a deter uma quota de mercado de cerca de 17%, tornando‐se no maior banco privado português em termos de ativos no mercado doméstico e também de crédito e um dos maiores em termos de recursos de clientes. Somando com o Popular Portugal , o valor dos ativos passa a ser de 53,9 mil milhões de euros.
Recomendadas

Una Seguros reforça capital em 30 milhões de euros

Este aumento de capital visa reforçar os rácios de capital da companhia de seguros. Segundo revela a Una Seguros, ex-Groupama, este aumento serve para suportar os “ambiciosos objetivos” de crescimento em Portugal.

Plano de Formação Financeira aposta na formação financeira digital e na sensibilização para a sustentabilidade

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros quer reforçar parcerias e apostar no digital. O Plano Nacional de Formação Financeira para o horizonte 2021-2025 define três dimensões estratégicas de atuação: reforçar a resiliência financeira; promover a formação financeira digital; e contribuir para a sustentabilidade.

Santander escolhido pela Global Finance como o “melhor banco para PME” em Portugal

A Global Finance avaliou o desempenho dos bancos no período entre 1 de abril de 2020 e 31 de março de 2021, tendo por base critérios como o conhecimento dos mercados e as necessidades das PME’s, a variedade de produtos e serviços, o posicionamento de mercado e a inovação. O estudo abrangeu 66 países.
Comentários