VineScout: Os robôs estão a chegar às vinhas portuguesas

A Symington é a única empresa vitivinícola que é parceira nacional envolvida neste projeto financiado pelo fundo de Investigação e Inovação da Comissão Europeia.

????????????????????????????????????

Os robôs estão a chegar às vinhas portuguesas. Diversos parceiros tecnológicos, universitários e empresariais juntaram-se para desenvolver um robô para apoio à vitivinicultura na região do Douro.

Designado ‘VineScout’, o projeto foi iniciado em dezembro do ano passado e é financiado pelo Horizonte 2020, um Programa-Quadro Comunitário de Investigação e Inovação da Comissão Europeia, tendo como grande objetivo o desenvolvimento de um robô acessível, fiável e fácil de operar que possa fazer medições de parâmetros chave da vinha que apoiem a vitivinicultura (por exemplo, a disponibilidade de água e vigor das videiras).

A Symington Family Estates é o único ‘player’ do setor vitivinícola – a nível europeu – escolhido para integrar este projeto, contribuindo com o conhecimento aprofundado de ‘end user’ (utilizador final).

Do consórcio fazem ainda parte mais quatro parceiros: Universidade de Valencia e Universidade de La Rioja (Espanha); Wall-YE Robots & Software (França); e Sundance Multiprocessor Technologies (Reino Unido).

A coordenação do projeto – que tem financiamento até 2019 –  está a cargo de Francisco Rovira-Más, professor da Universitat Politécnica de Valencia e especialista em robótica e engenharia agrícola.

O ‘VineScout’ está orçado em mais de dois milhões de euros, sendo que o contributo da União Europeia está fixado em cerca de 1,7 milhões de euros.

 Na semana passada, o ‘VineScout’ “esteve a ser testado no terreno nas vinhas da Coleção de Castas da Quinta do Ataíde (Douro Superior) da Symington, permitindo aos investigadores perceber a usabilidade do robô em contexto real de forma a avançar para a próxima etapa de desenvolvimento”, revela um comunicado desta casa.

De acordo com este documento, durante estes ensaios, decorreu o evento ‘Dias de Agronomia’, no qual participaram outras empresas nacionais produtoras de vinho, universidades e institutos de investigação e ‘start-ups’ tecnológicas, que puderam acompanhar as provas de campo e participar numa mesa redonda de partilha de ideias.

Fernando Alves, responsável da Symington para Investigação e Desenvolvimento Viticultura, afirma estar muito satisfeito com o desenrolar dos ensaios práticos e considera que o contributo dos participantes foi de grande valor para o avanço do projeto.

“A Symington tem estado na vanguarda da investigação da viticultura no Douro, de forma a alavancar a qualidade dos vinhos e encontrar soluções pioneiras para os desafios que se avizinham. A empresa tem apostado em vinhas experimentais que foram estabelecidas na Quinta da Cavadinha, na década de 1990, e, mais recentemente, foram plantadas coleções de castas na Quinta do Ataíde (2014) e na Quinta do Bomfim (2015), respetivamente com 53 e 29 variedades diferentes, algumas das quais quase desconhecidas”, adianta o referido comunicado.

A Symington Family Estates é uma empresa de propriedade e gestão familiar.

Detém a Graham’s, uma das 10 marcas de vinho mais admiradas no mundo, segundo a revista Drinks Internacional, bem como as marcas Dow’s, Cockburn’s e Warre’s, e os vinhos DOC Douro: Quinta do Vesuvio, Quinta do Ataíde, Altano e P+S.

A família Symington está presente no Douro há cinco gerações — desde 1882 — mas, se seguirmos a linhagem da família através da bisavó da atual geração, a ligação dos Symington aos vinhos do Douro recua no tempo 14 gerações, transportando-nos até meados do século XVII e aos próprios primórdios da história do vinho do Porto.

É, atualmente, a maior proprietária de quintas na região do Douro e um dos principais produtores de vinho do Porto de qualidade superior, as chamadas categorias especiais.

Ler mais
Recomendadas

Produtores de vinhos do Douro vão receber mais de quatro milhões de apoios

Segundo uma informação oficial do Ministério da Agricultura, “os produtores do Douro vão receber mais de 854 mil euros para armazenamento e 3,222 milhões de euros para destilação de vinhos”.

ASAE apreende 450 quilos de alimentos em supermercados

Os 450 quilogramas de alimentos apreendidos representam 150 unidades de produtos, num valor aproximado de 3,4 mil euros, adianta a ASAE no balanço hoje divulgado.

Vinhos do Alentejo apresenta programa de produção sustentável ao mercado americano

Esta é uma uma iniciativa inédita no setor vitivinícola português que, no início do mês de agosto, iniciou a certificação de produção sustentável.
Comentários