Vinho da Madeira com mais de 170 anos vai estar à venda em Nova Iorque

As garrafas do século XVIII e XIV vão a leilão no próximo dia 7 de dezembro.

No próximo dia 7 de dezembro, a Christie’s, uma das mais importantes leiloeiras do mundo, vai colocar à venda em Nova Iorque vinhos da Madeira com mais de 170 anos. As garrafas, do século XVIII e XIV, foram descobertas no Liberty Hall Museum, em Nova Jérsia, em 2017.

A notícia foi avançada pela “Bloomberg”, que provou o vinho com selo português. De acordo com a agência, as bebidas em questão terão sido importadas pelo falecido Robert Lenox, em 1796, e escondidas num sótão durante a Lei Seca.

O enólogo da Madeira Wine Company Francisco Albuquerque, especialistas da Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR) e peritos de vinhos da Christie’s estiveram reunidos na altura em que as garrafas foram encontradas para controlar a sua abertura e verificar se o vinho ainda podia ser consumido.

Relacionadas

PremiumExportações de vinhos deverão exceder 800 milhões de euros

Vendas de vinho nacional no estrangeiro cresceram 6% até junho, tendo Portugal obtido as maiores taxas de crescimento em diversos mercados.

Compensa comprar produtos nacionais?

A resposta é ‘sim’ se se pensar em termos da economia nacional e ‘depende’ se a opção for pelo preço. Mas os portugueses parecem estar cada vez mais preocupados em consumir o que é português.
Recomendadas

‘Under’: já se imaginou a jantar a cinco metros de profundidade?

O restaurante, com capacidade para 80 a 100 convidados, destaca-se pela paleta de cores que segue a lógica do ambiente marítimo. Se estiver interessado em jantar debaixo do mar, o preço por cada reserva é de 100 euros.

Mais de 500 vinhos portugueses mostram-se em Xangai

Em termos de desempenho dos vinhos nacionais no mercado chinês, os dados recolhidos até Agosto de 2018 revelam um crescimento de 4% em valor e um aumento do preço médio em 23,9% face ao mesmo período em 2017.

Portugal entre os países da União Europeia que mais vinho exporta

França, Reino Unido, EUA e Alemanha são os principais clientes dos produtores portugueses.
Comentários