Vinhos portugueses exportaram 590 milhões de euros até setembro, uma subida de 2,4% em valor

Segundo a ViniPortugal, para o desempenho positivo registado nos primeiros nove meses deste ano contribuiu bastante o comportamento dos países terceiros fora do espaço da União Europeia, que estão a ter um crescimento de 21,6%, representando 317,5 milhões de euros. O destaque positivo das exportações vão para o Brasil, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá.

As exportações dos vinhos portugueses atingiram um montante de cerca de 590 milhões de euros de janeiro a setembro deste ano, traduzindo um crescimento de 2,43% em valor em 2020 face ao período homólogo do ano passado.

Estes dados foram dados a conhecer na manhã de hoje, dia 25 de novembro, pelo Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), no Fórum Anual dos Vinhos de Portugal, uma iniciativa da ViniPortugal, realizada este ano pela primeira vez num formato inteiramente digital.

“Apesar do impacto gerado pela pandemia de Covid-19 no mercado global, os vinhos portugueses continuam numa tendência de crescimento das exportações, que levará a que em 2020 se atinja um valor recorde de exportações de vinho. Atendendo que nos últimos três anos o último trimestre costuma ser o melhor período para as vendas de vinhos, valendo exportações sempre superiores a 240 milhões de euros, existe a expectativa que seja ultrapassado o valor de 2019, que se cifrou em 820 milhões de euros”, assinala um comunicado da ViniPortugal.

Segundo esse documento, “para o desempenho positivo registado este ano contribuiu bastante o comportamento dos países terceiros fora do espaço da União Europeia, que estão a ter um crescimento de 21,6%, representando 317,5 milhões de euros”.

“Em destaque está o Brasil, que subiu 21,5% para 46,3 milhões de euros em exportações, e que só desde Janeiro deste ano cresceu mais de oito milhões de euros. Os Estados Unidos da América, com um crescimento de 7,6% para 70,5 milhões de euros, e o Canadá, com um acréscimo de 5% para 37,2 milhões de euros, são outros dois mercados em evidência. Nota ainda para o Reino Unido, que regista um crescimento de 4,1%, representando 52 milhões de euros de exportações. Trajectória oposta teve Angola, com uma quebra de 27% para 19,3 milhões de euros, e a China, com uma redução de 35,8% para 8,5 milhões de euros”, adiantam os responsáveis da ViniPortugal.

A plataforma de promoção dos vinhos portugueses acrescenta que houve “comportamento distinto”, “de uma forma geral na Europa, num sinal do impacto que a pandemia de Covid-19 está a ter na economia, que conduz a uma queda de 13,5% para 272 milhões de euros de exportações”.

“Neste particular, merece nota o facto de as exportações para França caírem 5,4% para 77,8 milhões de euros, o que equivale a menos 4,4 milhões de euros do que no período homólogo em 2019. A quebra na Alemanha é de 4,7% para 34,7 milhões de euros, menos 1,7 milhões de euros do que em 2019”, avança o referido comunicado.

A ViniPortugal destaca ainda que “a Escandinávia acabou por ter um comportamento em contraciclo com o que foi registado no restante mercado europeu”, com realce “para os desempenhos muito positivos de Suécia, com um crescimento de 41% correspondente a 21,6 milhões de euros; Noruega, a subir 40% para 10,3 milhões de euros, e Finlândia, com um aumento de 50,5% para oito milhões de euros”.

Para Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal, os resultados dados a conhecer são reflexo da qualidade dos vinhos portugueses e da capacidade de resiliência dos produtores.

“Num ano atípico como tem sido 2020, é um sinal muito positivo as exportações dos vinhos portugueses estarem a crescer e a oferecer perspectivas de voltar a bater o recorde das exportações em valor. Podemos dizer que o esforço conjunto feito por todos os agentes da fileira do vinho ao longo dos últimos anos, com uma aposta muito clara na qualidade do produto e na promoção internacional e na abertura de novos mercados, está a dar resultados positivos, em particular num ano com tanta incerteza e restrições”, defendeu este responsável.

De acordo com os dados da ViniPortugal, “em termos globais, em 2019, Portugal ocupou a 9.ª posição no ‘top-10’ dos maiores exportadores mundiais de vinho”.

“Neste ‘ranking’, liderado pela França, Portugal está posicionado, em valor, atrás da Alemanha e à frente da Argentina. Em volume, Portugal ocupa a mesma posição, ficando atrás da África do Sul, mas supera a Argentina e a Nova Zelândia”, revela o documento em questão.

Promovido anualmente pela ViniPortugal, o Fórum Vinhos de Portugal pretende ser um momento de análise e de debate sobre a realidade do sector vitivinícola nacional, com o contributo de entidades reguladoras e de promoção, produtores e convidados de áreas relevantes, e o palco para a apresentação da estratégia de promoção nacional e internacional dos vinhos portugueses para o ano seguinte.

 

Ler mais
Recomendadas

POSEI assegurado até 2022 mas depois terá corte de 3,9%, diz ministra da Agricultura

“Portugal, em sede de negociação do quadro financeiro, defendeu a manutenção deste envelope financeiro. Não foi possível”, referiu Maria do Céu Antunes no parlamento.

Primeira edição da ‘Digital Agrifood Summit Portugal’ arranca a 20 de janeiro

O objetivo desta iniciativa digital, em que já está confirmada a presença de 75 empresas nacionais do sector agroalimentar, é reforçar a vertente exportadora desta área de atividade.

Porto de Sines aposta no potencial do agronegócio com o Brasil

Após contactos diretos entre os dois Ministérios da Agricultura, está em cima da mesa a possibilidade de implantação em Sines de um terminal para exportação de frutas e carnes brasileiras para outros países europeus, para o norte de África e para o Médio Oriente. Nesse sentido, já foi assinado um protocolo entre a Comunidade Portuária de Sines e a Câmara de Comércio Brasil-Portugal Centro Oeste.
Comentários