Virgin Atlantic pede proteção contra falências nos Estados Unidos

Companhia aérea de Richard Branson procura proteção de acordo com o código de falências dos Estados Unidos, que permitem proteger ativos instalados naquele país.

A Virgin Atlantic, companhia aérea do multimilionário Richard Branson, remeteu um pedido de proteção contra falências nos Estados Unidos, avançam os jornais do país. A companhia procura proteção nos termos do capítulo 15 do código de falências dos Estados Unidos, que permite que um devedor estrangeiro proteja ativos instalados no país. O anúncio ocorre pouco mais de um mês depois que a Virgin Atlantic ter anunciado que havia garantido financiamento para sobreviver por mais 18 meses recorrendo aos bolsos dos acionistas privados.

A Virgin Atlantic voa apenas em rotas internacionais de longo curso e suspendeu voos em abril devido à pandemia de coronavírus. A companhia adiantou que as reservas caíram 89% no final do primeiro semestre deste ano em relação ao ano anterior e a procura para o segundo semestre é de aproximadamente 25% dos níveis de 2019.

O pedido da Virgin Atlantic ao Tribunal de Falências norte-americano (distrito sul de Nova Iorque) revela que a companhia negociou um acordo com as partes interessadas “para uma recapitalização consensual” que permita retirar dívida do balanço e “posicionará [a empresa] imediatamente para um crescimento sustentável a longo prazo”.

Esta terça-feira, a companhia aérea também entrou com um processo no Tribunal Superior de Londres, para convocar reuniões de credores afetados para votar um plano de recuperação que será apresentado a 25 de agosto.

Uma porta-voz da Virgin Atlantic, citado pelo jornal ‘TheGuardian’, disse que o plano de reestruturação foi apresentado perante o Tribunal do Reino Unido “para garantir a aprovação de todos os credores relevantes antes da sua implementação”. A Virgin Atlantic disse ao Tribunal que pode ficar sem dinheiro já em setembro se o acordo de reestruturação não for aprovado.

Em julho, a Virgin Atlantic aceitou um acordo de resgate com os seus acionistas e credores no valor de 1,2 mil milhões de libras (1,32 mil milhões de euros), para assegurar o futuro após a pandemia, afirmava em comunicado. O resgate seria proveniente de parceiros privados e eliminava a necessidade de apoio por parte governamental, que já tinha sido procurada por Richard Branson. O resgate deverá estar concluído até ao fim do verão e o dinheiro será distribuído consoante as necessidades da empresa ao longo dos próximos 18 meses.

Entretanto, a companhia aérea, 51% de propriedade de Branson e 49% da companhia aérea americana Delta, fechou sua base em Gatwick e cortou mais de 3.500 empregos para lidar com as consequências da pandemia.

Ler mais
Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários