Vista Alegre assegura dois novos contratos no valor de 16,2 milhões de euros

Os responsáveis da empresa destacam a relevância destes contratos com grandes insígnias mundiais “numa altura de bastantes incertezas no mercado global”.

A Vista Alegre garantou dois novos contratos no valor conjunto de 16,2 milhões de euros, que terão impacto na atividade da empresa na segunda metade deste ano.

“O Grupo Vista Alegre Atlantis, que incorpora as marcas centenárias Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e que detém fábricas de porcelana, cristal, vidro, grés e faiança, assegurou a contratualização de mais duas encomendas importantes para o segundo semestre de 2020, no valor de 16.2 milhões de euros”, revela o comunicado enviado pela empresa para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

O referido documento sublinha que, “numa altura de bastantes incertezas no mercado global, a Vista Alegre, mantém a colaboração com grandes insígnias mundiais, de que são exemplo, as operações contratualizadas”.

“Uma das operações destina-se a um grande retalhista francês, e resulta de uma parceria já de longa data com a marca Zwilling, conhecida pelas suas facas de elevada qualidade e pelos acessórios de produtos para a cozinha”, esclarecem os responsáveis da Vista Alegre.

Por seu turno, “o outro contrato, protegido por um acordo de confidencialidade, foi realizado com uma insígnia bem conhecida e vai ‘chegar’ a casa dos consumidores, um pouco por todo o mundo”, promete a administração da Vista Alegre.

“A Vista Alegre, por ter desenvolvido grandes competências de gestão de projetos, aliados à sua elevada qualidade e capacidade de produção, afirma-se cada vez mais, como impulsionadora das novas tendências de mercado, e um ‘player’ internacional ao nível de grandes projetos nas áreas do ‘design’ de produto e ‘lifestyle'”, conclui o comunicado da empresa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.

Centros comerciais e lojistas preparados para reabrir em junho

“A APCC [Associação Portuguesa de Centros Comerciais] enquanto interlocutor deste setor em Portugal reitera que os centros comerciais e os seus lojistas estão preparados para voltar em pleno no início da fase três do plano de desconfinamento, tal como previsto”, indicou, em comunicado, a associação.

Governo alemão e Lufthansa fecham resgate que pode ascender a 9 mil milhões de euros

Com este resgate, o governo alemão ficará como principal acionista da companhia aérea com 20% de participação no capital da empresa. O acordo permanecerá pendente até que a Comissão Europeia dê o seu “aval”.
Comentários