Vista Alegre com queda anual de mais de 30% do volume de negócios em fevereiro

A Vista Alegre já tem assegurados novos contratos de fornecimento totalizando mais de 20 milhões de euros para o segundo, terceiro e quarto trimestre de 2021. A Europa é o destino principal destes fornecimentos.

Nos primeiros dois meses de 2021, o Grupo Vista Alegre atingiu um volume de negócios acumulado de 12,1 milhões de euros, verificando uma quebra de 34% relativamente ao mesmo período de 2020. No mês de fevereiro de 2021 o volume de negócios foi de 6,5 milhões de euros, uma diminuição, face ao mesmo mês de 2020, de 32,8% (-3,2 milhões de euros), notando-se, no entanto, já uma ligeira melhoria nas vendas, face ao mês anterior.

Em plena pandemia a empresa anuncia também que “as vendas através do canal online continuaram a evidenciar no mês de fevereiro um excelente desempenho, compensando parcialmente a quebra no canal de retalho, pelo facto da rede de lojas em Portugal continuar encerrada em resultado da suspensão das atividades de comércio a retalho e do encerramento dos estabelecimentos abertos ao público decretada pelo Governo Português no quadro das medidas de confinamento em vigor”.

O encerramento da generalidade das unidades de hotelaria e restauração “continua a ter impacto negativo nas vendas no canal Horeca (que abrange os estabelecimentos de hotelaria, restauração e cafetaria).

Diz ainda a Vista Alegre que o canal Private Label, registou igualmente um decréscimo comparativamente com o mesmo período de 2020.

A Vista Alegre destaca ainda aquilo a que chama “a demonstração de resiliência” das suas filiais USA, Brasil, Espanha e França que estão a crescer nos seus negócios de retalho.

A Vista Alegre anunciou ainda que já tem assegurados novos contratos de fornecimento totalizando mais de 20 milhões de euros para o segundo, terceiro e quarto trimestre de 2021. A Europa é o destino principal destes fornecimentos, para França, Alemanha e Países Escandinavos, mas a destacar ainda que uma parte significativa (25%) se destina ao continente Asiático.

Estes novos contratos juntam-se à existente carteira de encomendas da sua “vasta rede de distribuição”, que tinha já cerca de 25 milhões de euros em carteira, no canal private label, para este período, o que totaliza 45 milhões de euros em carteira e “representam uma base importante para a empresa manter uma atividade com bons níveis de produção”.

Diz ainda a empresa que “mantendo-se o atual contexto de suspensão da atividade da rede de retalho nacional da VAA (salvo nos canais online), e de incerteza quanto ao plano de reabertura da atividade comercial”, a Vista Alegre Atlantis, nos segmentos de porcelana e cristal, e a Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro, no segmento da faiança, decidiram prorrogar as medidas de “lay-off” simplificado e de redução temporária do Período Normal de Trabalho.

Tem assim lugar a prorrogação da suspensão temporária de contratos de trabalho de parte dos respetivos trabalhadores comunicada no passado dia 5 de fevereiro, passando a abranger, no mês de março, cerca de 10,81% dos trabalhadores da Vista Alegre Atlantis e 1,64% dos trabalhadores da Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro (todos trabalhadores afetos à rede comercial), “estando os demais trabalhadores destas subsidiárias a prestar trabalho a tempo inteiro ou com redução temporária do PNT (isto é, 16,45% dos trabalhadores da Vista Alegre Atlantis e 1,97% dos trabalhadores da Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro estão com redução do Período Normal de Trabalho)”, reforça o grupo em comunicado enviado ao mercado.

A unidade produtiva da Ria Stone, Fábrica de Louça de Mesa em Grés, em Ílhavo, no segmento grés mesa, retomou em pleno o seu regime de laboração desde o dia 1 de março.

Ler mais
Recomendadas

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.

Lucro da Galp terá disparado 62% no primeiro trimestre com subida do preço do petróleo

A subida para 47 milhões de euros terá sido impulsionada pela unidade exploração e produção de petróleo e gás natural, que segundo o consenso das estimativas de 23 analistas divulgado pela empresa terá registado um aumento homólogo de 46,5% no EBITDA – resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização – para 419 milhões de euros.
Comentários