Vista Alegre ganha 13,7 milhões com linha de louça exclusiva para a MasterChef

Com os contratos já garantidos pela empresa portuguesa com os clientes, Hennessy e Remy Martin no cristal; Zara Home; Cervera na faiança; Clube Med na porcelana; e IKEA no grés, tem já assegurados mais de 50 milhões de euros de volume de negócios por ano.

A Vista Alegre, pertencente ao grupo português Visabeira, anunciou hoje, dia 12 de setembro, em comunicado enviado à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a formalização de um acordo para a criação de linha de louça exclusiva para a marca MasterChef no valor de 13,7 milhões de euros.

“O Grupo Vista Alegre, que detém as marcas centenárias Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e que detém fábricas de porcelana, cristal, vidro, grés e faiança, acaba de formalizar um acordo no valor de 13,7 milhões de euros relativo à criação de uma linha com seis peças diferentes com a marca MasterChef”, adianta o referido comunicado.

O mesmo documento acrescenta que “a Vista Alegre, na sua estratégia de expansão e consolidação internacional, tem vindo a colaborar com grandes insígnias mundiais, com artistas famosos e com
premiados e conceituados ‘designers’ e ‘chef‘s’ de cozinha, o que tem contribuído para o aumento da notoriedade da marca portuguesa, nomeadamente nos mercados externos”.

“O Grupo Vista Alegre, com os contratos já garantidos com os clientes, Hennessy e Remy Martin no cristal, Zara Home, Cervera na faiança, Clube Med na porcelana e IKEA no grés, tem já assegurados mais de 50 milhões de euros de volume de negócios por ano”, revela o referido comunicado.

A administração da Vista alegre adianta ainda que “a coleção MasterChef começará a ser produzida ainda no terceiro trimestre de 2019 e será disponibilizada inicialmente no mercado francês no início de janeiro de 2020”.

Recomendadas

Parlamento ouve hoje presidente do Fundo de Resolução sobre nova injecção no Novo Banco

Luís Máximo dos Santos vai nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, à Assembleia da República esclarecer as questões levantadas pelo Bloco de Esquerda relativas a uma “perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado”. Bloquistas querem ainda saber o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado.

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Santa Casa assina contrato de 3,7 milhões com fornecedor norte-americano de “raspadinhas”

A IGT Global Solutions já tinha sido escolhida em 2016 para o fornecimento de bilhetes de lotaria instantânea durante três anos, num concurso público no valor de 28,5 milhões de euros.
Comentários