Vítor Gaspar: “Complacência do passado pode levar a sobreendividamento e pânico dos investidores”

Diretor do Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI repete apelo de Kristalina Georgieva e pede aos países com espaço orçamental para apoiarem a procura agregada. Mas os países já endividados devem ter “prudência” para evitar disrupções nos mercados.

Vítor Gaspar avisou esta quarta-feira que as principais economias mundiais devem estar preparadas para uma “ação coordenada” a nível orçamental, caso a atividade económica global venha a contrair de forma acentuada.

Na apresentação do relatório anual Fiscal Monitor, o diretor dos Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI sublinhou que, com inflação baixa e taxas de juros negativas, os “países com espaço orçamental” devem usar essa folga para “apoiar a procura agregada”.

Contudo, acrescentou, na “maioria” das outras economias dívida e o rácio juros/impostos estão num nível elevado, o que leva o ex-ministro português a recomendar políticas orçamentais “prudentes”, assentes numa “visão de médio prazo”.

“Caso contrário, como já aconteceu no passado, a complacência alimentada por baixas taxas de juros pode levar ao sobreendividamento, seguido de pânico dos investidores e disrupção dos mercados”.

Recomendadas

AICEP apresenta Acelerador das Exportações Online

A AICEP vai concentrar todo o seu trabalho de junho no objetivo fixado pelo Governo de promover as exportações. Na próxima terça-feira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, vai acompanhar a apresentação da nova ferramenta de Inteligência Artificial que é colocada ao serviço dos exportadores nacionais, o “Acelerador das Exportações Online”.

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.
Comentários