Vodafone é líder mundial em Internet das Coisas

O grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de Internet of Things (IoT), utilizando para o efeito uma plataforma única.

A ‘Internet das Coisas’ consiste numa tecnologia que permite às empresas ligar todos os equipamentos e sensores, tornando-os “inteligentes”.

O grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de IoT, utilizando para o efeito uma plataforma única, que garante globalmente “a mesma qualidade e experiência de utilização aos seus clientes”.

A posição foi atribuída no Gartner Magic Quadrant em Gestão de Serviços Machine-to-Machine (M2M) nas categorias “capacidade de execução” e “abrangência de visão”.

O relatório revela que as organizações que investem em IoT contabilizam, em média, um aumento de 20% nas suas receitas e uma redução de custos de 16%.

Empresas esperam retorno do investimento em IoT em dois anos

Ler mais
Relacionadas

Biometria e Internet das Coisas continuarão a marcar segurança em 2019

Da empresa à casa, da vida profissional ao âmbito privado e pessoal, estamos permanentemente conectados.

Empresas não estão preparadas para ciberataque em Internet das Coisas

Estudo da Trend Micro mostra uma grande discrepância entre o investimento em sistemas de IoT e a segurança para protegê-los.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários