Vodafone é líder mundial em Internet das Coisas

O grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de Internet of Things (IoT), utilizando para o efeito uma plataforma única.

A ‘Internet das Coisas’ consiste numa tecnologia que permite às empresas ligar todos os equipamentos e sensores, tornando-os “inteligentes”.

O grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de IoT, utilizando para o efeito uma plataforma única, que garante globalmente “a mesma qualidade e experiência de utilização aos seus clientes”.

A posição foi atribuída no Gartner Magic Quadrant em Gestão de Serviços Machine-to-Machine (M2M) nas categorias “capacidade de execução” e “abrangência de visão”.

O relatório revela que as organizações que investem em IoT contabilizam, em média, um aumento de 20% nas suas receitas e uma redução de custos de 16%.

Empresas esperam retorno do investimento em IoT em dois anos

Ler mais
Relacionadas

Biometria e Internet das Coisas continuarão a marcar segurança em 2019

Da empresa à casa, da vida profissional ao âmbito privado e pessoal, estamos permanentemente conectados.

Empresas não estão preparadas para ciberataque em Internet das Coisas

Estudo da Trend Micro mostra uma grande discrepância entre o investimento em sistemas de IoT e a segurança para protegê-los.
Recomendadas

Pensão de Horta-Osório gera polémica interna no Lloyds

O gestor português é acusado de ter benefícios muito acima do que a instituição pratica para a generalidade dos seus funcionários. A polémica pode ‘resvalar’ para a assembleia geral de maio próximo.

Standard & Poor’s volta a subir rating do Banco BPI

Agência destaca a sólida posição do BPI no negócio de banca comercial em Portugal e uma qualidade dos ativos melhor do que os competidores domésticos.

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.
Comentários